Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes de oposição fogem enquanto polícia do Quênia lança gás lacrimogêneo, durante protesto, em Nairóbi 06/10/2017 REUTERS/Thomas Mukoya

(reuters_tickers)

NAIRÓBI (Reuters) - A polícia do Quênia usou gás lacrimogêneo contra ativistas da oposição na capital Nairóbi em meio à intensificação dos protestos em várias cidades, nesta sexta-feira, pedindo a demissão de autoridades da comissão eleitoral envolvidas na eleição presidencial cancelada de agosto.

Multidões se reuniram em Nairóbi, no bastião opositor de Kisumu, no oeste, e n litorânea Mombaça pela segunda vez nesta semana.

A Suprema Corte queniana anulou a votação de 8 de agosto alegando irregularidades, mas sem responsabilizar ninguém da comissão eleitoral em particular.        

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, que venceu a eleição, mas teve sua vitória anulada, acusou o alto tribunal de deixar a nação à beira do "caos judicial". O líder opositor Raila Odinga e seus apoiadores direcionaram sua ira contra o conselho eleitoral por seu papel na eleição anulada.

Faltando três semanas para uma nova votação, políticos dos dois lados vêm trocando insultos e acusações, o que desperta temores de mais tumultos no polo econômico e de transporte da região.

A oposição está ameaçando boicotar a nova votação de 26 de outubro se as autoridades da comissão eleitoral não forem afastadas e o Parlamento não aprovar uma emenda proposta à lei eleitoral que impediria a Suprema Corte de anular os resultados novamente.

No início desta sexta-feira, o comandante de polícia do condado de Nairóbi disse que as pessoas terão permissão para protestar, mas que qualquer um que tente destruir propriedades será "tratado com firmeza".

(Por George Obulutsa)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters