Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Saúde e meio ambiente Empresas de agrotóxicos 'seriamente deficientes' em direitos humanos, diz especialista da ONU

Duas iniciativas para restringir o uso e a venda de agrotóxicos na Suíça foram discutidas no parlamento esta semana. O relator especial da ONU sobre direitos humanos e substâncias e resíduos tóxicos acredita que as empresas de agrotóxicos e o governo suíço devem fazer mais para eliminar gradualmente os produtos químicos perigosos.

fields

Em 2017, o governo suíço adotou um plano de ação para reduzir em 50% os riscos de poluição do solo e da água a longo prazo, mas disse que seria difícil manter os níveis de produção de alimentos se todos os pesticidas fossem eliminados

(Keystone / Tamas Soki)

Uma tempestade se abateu sobre a indústria mundial de agrotóxicos no ano passado. Vários julgamentos multimilionários contra a Monsanto, agora de propriedade da Bayer, deixaram as empresas do agronegócio em estado de alerta e fizeram do herbicida glifosato um nome familiar.

A conscientização pública na Suíça também está em ascensão após relatos de níveis excessivos de pesticidas encontrados em cursos d'água e as potenciais ligações dos pesticidas com quase tudo, desde o desaparecimento das abelhas à má qualidade do esperma.

O governo suíço tem tido uma posição ambígua e inconsistente sobre a regulamentação do uso de pesticidas. Por um lado, tem sido criticado pelo progresso mais lento do que o desejado na implementação de um plano de ação de redução de pesticidas adotado em 2017. No entanto, na semana passada, o país foi além de seus vizinhos europeus ao proibir 12 pesticidas contendo clorpirifos e clorpirifos-metila.

Em entrevista para swissinfo.ch, Baskut Tuncak, que foi nomeado para o Conselho de Direitos Humanos da ONU com um mandato de analisar o impacto dos pesticidas sobre os direitos humanos, fala sobre o que os governos e a indústria devem fazer.

swissinfo.ch: O que mais lhe preocupa no momento?

Baskut Tuncak: O que realmente me preocupa é a exposição generalizada de crianças durante períodos sensíveis do desenvolvimento e como as substâncias químicas são consideradas cada vez mais perigosas, para níveis de exposição cada vez mais curtos. Problemas de saúde que vão desde a diminuição da contagem de espermatozoides até ao aumento das taxas de câncer de mama estão cada vez mais associados à exposição a essas substâncias químicas na infância. Particularmente preocupante é a forma como múltiplas exposições químicas se podem combinar e interagir entre si para afetar a saúde.

No entanto, as poucas avaliações de risco que foram concluídas centram-se no risco da exposição individual a substâncias e não consideram os direitos humanos da criança. Estamos descobrindo todos os tipos de efeitos diferenciados dessas substâncias químicas sobre a saúde, o que está mudando cada vez mais a forma como pensamos sobre doenças e deficiências que se desenvolvem mais tarde na vida. Considero esta predominância generalizada da exposição infantil muito preocupante, não só com base na ciência, mas também nos valores, princípios e direitos das crianças que são reconhecidos por quase 200 países.

Baskut Tuncak foi nomeado relator especial sobre as implicações para os direitos humanos da gestão e eliminação ecológica de substâncias e resíduos perigosos em 2014. O seu mandato foi renovado em setembro de 2017 por um período de três anos.

(Baskut Tuncak)

swissinfo.ch: Algumas empresas argumentam que os agrotóxicos só não são seguros quando são usados indevidamente. Onde a lei deve traçar a linha entre os produtos que podem e não podem ser usados com segurança?

B. T.: A União Europeia determinou que, para alguns produtos químicos, os níveis de exposição não podem ser avaliados com precisão para certos usuários, como os agricultores, e que precisamos de uma abordagem que reconheça a incerteza sobre a quantidade de exposição e suas implicações. O conceito de "uso seguro" é uma narrativa da indústria que simplesmente não é prática para muitos tipos diferentes de substâncias, especialmente em países em desenvolvimento com capacidade limitada de monitoramento e fiscalização de seu uso.

Isso tem impulsionado uma abordagem mais preventiva na Europa. Algumas pesquisas que fiz em 2013, que analisaram as diferenças na forma como os EUA e a Europa regulamentam os agrotóxicos, revelaram que havia cerca de 80 agrotóxicos que são proibidos na Europa, mas autorizados para uso nos EUA. No entanto, como vimos nas últimas semanas, certos estados nos EUA, como a Califórnia, estão proibindo pesticidas como o clorpirifos, que a Europa não tem.

swissinfo.ch: Como seria a abordagem responsável para a venda de agrotóxicos?

B. T.: Há uma grave deficiência em termos de “due diligence” de direitos humanos realizada por fabricantes de agrotóxicos e outras empresas químicas em termos do que acontece depois do ponto de venda.

Por exemplo, na indústria do tabaco na África, vemos provas de que estão sendo utilizados agrotóxicos altamente perigosos em plantações onde sabemos que as crianças estão presentes e a trabalhar. Se as crianças utilizam esses agrotóxicos, isso constitui uma das piores formas de trabalho infantil.

Encontrei apenas uma empresa química, sediada na Alemanha, que tem uma abordagem robusta para identificar os impactos dos seus produtos químicos nos direitos humanos. A maioria das empresas químicas tem uma abordagem muito superficial à diligência devida em matéria de direitos humanos.

Não são apenas as empresas químicas que nos devem preocupar quando se trata de toxinas e direitos humanos. É importante para todas as empresas, como as do setor de alimentos e bebidas, realizar a diligência devida ao comprar produtos que são produzidos usando pesticidas e outros produtos químicos tóxicos, e com relação a seus resíduos.

swissinfo.ch: Como a empresa de agronegócios suíça Syngenta se posiciona a este respeito?

B. T.: Não fiquei totalmente satisfeito com os argumentos da Syngenta sobre por que eles não podem eliminar gradualmente certos agrotóxicos altamente perigosos. Mas não se trata apenas da Syngenta. Muitas empresas assumem compromissos há anos para se afastarem dos agrotóxicos mais perigosos, mas ao contrário, seu uso parece estar aumentando. É necessário um maior esforço e investimento em alternativas mais seguras, sejam elas químicas ou orgânicas. Os peritos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura afirmaram que é possível fazê-lo, o que, a meu ver, já devia ter sido feito há muito tempo.

swissinfo.ch: O que você gostaria que o governo suíço fizesse?

B. T.: O governo suíço deve mostrar mais ambição internacionalmente. Atualmente, a ONU está discutindo o futuro de um amplo acordo-quadro sobre gestão de produtos químicos, que foi adotado há mais de dez anos. A opinião predominante é que esse quadro, não vinculativo, não está funcionando. Em particular, não há responsabilidade de nenhum governo para com as promessas que fizeram sob este quadro. Nos últimos 13 anos, não houve uma redução significativa na eliminação progressiva dos agrotóxicos altamente perigosos.

A liderança suíça é extremamente necessária para ajudar a estabelecer um sistema que responsabilize países e empresas por seus deveres com a segurança química, e com a eliminação gradual dos produtos químicos de preocupação mundial.

Internamente, a Suíça tem a capacidade técnica e financeira para desenvolver sistemas avançados de produção agrícola que usam alternativas aos produtos químicos perigosos, o que seria uma inspiração para outros países ao redor do mundo para seguir o exemplo.



Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.