Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Salva-vidas hi-tec 'Start-up' de Lausanne desenvolve drones de resgate e inspeção

Elios

O robô voador permite inspecionar chaminés, tanques, tubulações de ventilação ou reatores sem colocar em risco vidas humanas.

(Flyability)

Empregados por usinas nucleares, indústrias, unidades policiais e brigadas de incêndio, os drones Flyability conseguem penetrar em locais inacessíveis, reduzindo o risco de acidentes para o pessoal, bem como os custos. Os robôs voadores da start-up de Lausanne tornaram-se em poucos anos um dos emblemas do sucesso do "Drone Valley" suíço.

"Após o terremoto no Haiti (2010) e a catástrofe nuclear em Fukushima (2011), foi necessário verificar que os sistemas robóticos não eram capazes de penetrar em ambientes complexos e destruídos para examinar a situação ou verificar a presença de possíveis vítimas. Por isso, nos pusemos a desenvolver um robô capaz de acessar lugares isolados, caracterizado por muitos obstáculos e pequenos espaços ", conta Patrick Thévoz.

Patrick Thévoz, co-fundador da Flyability.

(swissinfo.ch)

Em 2014, o jovem Thévoz e seu primo Adrien Briod criaram a FlyabilityLink externo em Lausanne, convencidos de que eles podiam alcançar esse objetivo. Ambos haviam concluído um mestrado em microtécnica alguns anos antes na Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL). Enquanto Thévoz trabalhou por alguns anos como consultor em estratégia de negócios, Briod continuou sua pesquisa com um doutorado consagrado à robótica voadora. 

Duas experiências, portanto, perfeitamente complementares para dar vida a uma start-up de sucesso, uma empresa tecnologicamente inovadora capaz de alcançar um rápido crescimento.

As moscas dão o exemplo

"Para nossa pesquisa inicial, nos inspiramos nos insetos, especialmente as moscas. Tentamos entender, por vários meses, como as moscas conseguem voar em ambientes particularmente difíceis, resistir a choques, não perder sua orientação e encontrar uma saída. Chegamos à conclusão de que, portanto, era necessário um objeto pequeno e leve, capaz de corrigir perturbações fortes, reagir a colisões e manter uma grande estabilidade de vôo ", explica Patrick Thévoz.

A "mosca" desenvolvida pelos dois jovens engenheiros é chamada Elios, um drone de 40 centímetros de diâmetro e pesando 700 gramas, com um revestimento esférico em fibra de carbono, um sistema de iluminação LED, uma câmera de vídeo de alta resolução e uma câmera térmica que permite, entre outras coisas, identificar a presença de um corpo humano. O dispositivo, acionado por um controle remoto instalado em um tablet, pode se mover em ambientes com temperaturas de 0 a 50 graus e suportar colisões até uma velocidade de 4 metros por segundo.

"Logo percebemos que, para o nosso drone, havia oportunidades de emprego, especialmente no setor industrial, mais do que no humanitário, já que, felizmente, não há [aqui na Suíça] muitas catástrofes naturais. Quando publicamos os primeiros vídeos do drone, encontramos um grande interesse no mercado de inspeção industrial, especialmente por empresas ativas no campo da química, petróleo, eletricidade ou dutos”, acrescenta o CEO da Flyability.

Reduzindo os riscos humanos

Em 2015, um ano após seu nascimento, a start-up ganhou o primeiro prêmio, no valor de 1 milhão de francos, na competição "Drones for good"Link externo, realizada em Dubai, para premiar o melhor projeto de desenvolvimento de um drone que permite melhorar a vida diária, servindo a população ou o meio ambiente. Um ponto de partida ideal para a jovem empresa de Vaud que assim pôde se internacionalizar e atrair o financiamento necessário para comercializar seu produto.

A trajetória dos primeiros protótipos para um produto comercial não foi isenta de obstáculos, ressalta Patrick Thévoz, mas hoje a Flyability já conta com mais de 300 clientes em todo o mundo. Seu drone é usado principalmente para a inspeção de plantas industriais, para as quais é necessário verificar regularmente as condições de fábricas e equipamentos. O Elios consegue penetrar em locais de difícil acesso, fornecendo informações precisas sobre possíveis rachaduras, processos de corrosão ou outros danos causados pelo uso de tempo, fenômenos naturais ou substâncias químicas.

Portanto, este emprego não é puramente humanitário, mas muitas vezes permite não comprometer vidas humanas. "Há uma série de instalações onde as inspeções humanas envolvem altos riscos de acidentes ou exposição a gases ou outras substâncias que são perigosas para a saúde, como tanques de refinaria ou um gerador de vapor em uma usina nuclear. No ano passado, por exemplo, um de nossos drones foi usado para inspecionar uma instalação elétrica, depois que várias pessoas morreram como resultado do colapso de um andaime erguido para inspeção humana.

Mais normas de segurança

Utilizado em dezenas de países, o Elios conseguiu ocupar um nicho de mercado internacional. "Hoje nossos concorrentes são andaimes e inspeções humanas", observa Patrick Thévoz. A demanda mais forte veio dos Estados Unidos e da Europa até agora, mas também de vários países emergentes, particularmente na Ásia. "Em países como a China existe uma enorme infraestrutura industrial, que requer inspeções, e há um crescente desejo de aplicar padrões de segurança, próximos dos padrões ocidentais, para os funcionários".

Mas o drone não interessa apenas o setor industrial. Entre seus clientes existem, por exemplo, unidades policiais, como a unidade de elite francesa RAID, especializada em operações contra o crime e o terrorismo. Ou bombeiros e agentes de seguros, que devem entrar em um prédio após um incêndio para avaliar responsabilidades ou danos. Mas a Flyability não pretende vender seus robôs voadores para fins militares. "Nós não queremos que eles sirvam como armas, mas como um instrumento de observação para impedir que alguém se exponha ao perigo".

Um produto do "Vale dos Drones"

Um dos principais desafios de Patrick Thévoz e Adrien Briod é adaptar continuamente a estrutura da start-up ao rápido crescimento de atividades e pessoal - a empresa conta hoje mais de setenta funcionários, um tanto espremidos nas dependências do escritório de Lausanne. No desenvolvimento da empresa, a EPFL desempenhou um grande papel, e não apenas para o trabalho de doutorado, do qual nasceu o primeiro protótipo do drone.

"A EPFL também desempenhou um papel de incubadora para nós, pois oferece vários programas que permitem que estudantes e graduados iniciem uma start-up mais facilmente. E até hoje podemos colaborar com esta instituição para projetos de pesquisa fundamental. Além disso, ela representa um imenso ímã que atrai talentos e empresários com quem trocar experiências e gerar um ecossistema real para start-ups como a nossa", sublinha Thévoz.

Em torno da Politécnica Federal Suíça, em Lausanne, e também em Zurique, o "Vale dos Drones", que agora tem cerca de oitenta empresas, cresceu em apenas alguns anos. Hoje, a Flyability é um dos principais emblemas do seu sucesso. "É claramente uma vantagem poder ter ao nosso redor várias empresas ativas no mesmo setor, com as quais criamos colaborações, mas também um espírito de emulação. A existência de um Vale do Drone também fortalece a credibilidade das próprias empresas e a confiança de investidores e clientes em relação ao nosso trabalho".


Tradução do italiano: Eduardo Simantob

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.