Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Sociedade em duas velocidades Relatório alerta para aumento da desigualdade na Suíça

As famílias suíças estão se tornando mais ricas, mas a desigualdade entre ricos e pobres está aumentando, adverte a Receita Federal suíça. As razões incluem baixas taxas de juros e altos salários de executivos.

View of canton Schwyz

O cantão de Schwyz teve a maior riqueza per capita em 2015 - CHF 718.473 - e teve o crescimento mais rápido (+10,5%) entre 2003 e 2015

(Keystone / Anthony Anex)

Um relatório do fisco revelou que os ativos dos 1% mais ricos aumentaram em quase 43% entre 2003 e 2015. Enquanto isso, durante o mesmo período, os ativos dos 75% menos favorecidos cresceram apenas 18,6%. 

Há várias explicações para a diferença crescente entre os que têm e os que não têm, explica Ursina Kuhn, pesquisadora do FORS, Centro Suíço de Especialização em Ciências Sociais. A maioria dessas razões tem ressonância global em vez de ser específica da Suíça. 

Atualmente, as taxas de juros mais baixas estão aumentando o valor de muitos ativos financeiros e, em particular, dos preços dos imóveis. "Se você possui várias casas, é mais provável que veja um aumento no valor de seus ativos", diz Kuhn.

Muitos países em todo o mundo também têm visto um aumento acentuado nos salários dos altos executivos em comparação com os salários normais. Os maiores ganhadores, portanto, têm ainda mais dinheiro para colocar de lado em poupanças ou para investimentos. As pessoas ricas também têm acesso a consultores de investimento de alta qualidade.

Especificamente na Suíça é a polêmica política tributária de "montante fixo", que impõe um imposto sobre o patrimônio líquido das pessoas ricas estrangeiras em vez da renda. Isso leva a uma redução da carga tributária, o que, por sua vez, atrai para a Suíça pessoas ricas vindas do exterior.

Gama de riquezas

No final de 2015, o patrimônio líquido total das famílias na Suíça estava avaliado em CHF 1,792 trilhão ($1,807 trilhão), ou seja, uma média de CHF 215.166 per capita. 

No entanto, pouco mais da metade (55,46%) dos habitantes tinha menos de CHF 50.000, enquanto 24,53% declararam riqueza zero. No total, 5,72% dos habitantes da Suíça tinham patrimônio superior a CHF1 milhão e pouco menos de 1% da população tinha mais de CHF10 milhões. 

Os cantões de Schwyz, Nidwalden e Zug tinham a maior riqueza per capita: CHF718.473, CHF677.401 e CHF492.311, respectivamente. O cantão de Friburgo tinha a menor riqueza per capita, com CHF 99.099. 

+ Os suíços são ricos?

As desigualdades de riqueza dentro de cada cantão variaram consideravelmente. Isto é expresso usando o coeficiente de Gini, uma medida estatística de distribuição, que mostra como a renda é distribuída igualmente por meio de um valor entre 0 e 1. Quanto mais próximo de um, mais desigual é a pontuação de uma sociedade. 

A Receita Federal suíça afirmou que o cantão de Genebra tinha o nível mais elevado de desigualdade (0,92) e o cantão de Uri o mais baixo (0,72). O coeficiente médio suíço em 2015 foi de 0,86, que aumentou ligeiramente desde 2003 (0,83). 

As estatísticas da Receita Federal referem-se ao patrimônio líquido (patrimônio tributável antes das deduções sociais). Isso não leva em consideração os ativos mantidos no exterior ou os ativos pertencentes a planos de aposentadoria profissionais ou privados (chamados de 2º e 3º pilares). Nos casos em que uma pessoa possui ativos em vários cantões, eles são distribuídos entre os cantões.



swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.