Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Produtos


Brasil está na moda na Suíça


Por Liliana Tinoco-Bäckert


A Copa do Mundo se aproxima e o mercado suíço se vê tomado por uma leva de produtos com ícones brasileiros. São outdoors e produtos com a bandeira nacional, mulatas, Cristo Redentor, enfim, qualquer coisa que os estrangeiros achem seja a cara do país.

Na maioria das vezes, a publicidade beira ao kitsch e, em alguns casos, os clichês vêm junto com misturas estranhas, como biscoito, batata frita e pizza sabor feijoada ou perfume que remete à caipirinha. O motivo da ebulição verde e amarelo é óbvio. Ciente do filão, o mercado anseia tirar proveito do momento. Também pudera, só a economia brasileira deve receber RS 6,7 bilhões em gastos entre junho e julho. O volume foi calculado pelo Ministério do Turismo e a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Embora não haja estimativas feitas pela Sociedade Suíça de Nutrição, o potencial de consumo não deve ser desprezado, frente a quantidade de lançamentos nas últimas semanas. 

Apropriação da cultura alheia

Para sorte do consumidor, alguns lançamentos são produtos desenvolvidos com extremo bom gosto, demonstrando que é possível adaptar exotismo à cultura europeia. O uso do clichê, no entanto, não deve ser visto de forma negativa pelos brasileiros. Faz parte da apropriação da cultura alheia e adaptação à sua própria, como o mundo inteiro faz com a pizza italiana ou o sushi japonês.

Segundo a doutora em Antropóloga do Consumo Hilaine Yaccoub, é normal que haja um certo exagero por conta da proximidade do evento, principalmente quando sediado em um país tão exótico. Em casos como esse, a indústria foca no estereótipo: que no caso do Brasil são a Amazônia, a praia,  a feijoada etc.  “Mas como os suíços e alemães não conhecem a fundo nossos hábitos, acabam por trazer o feijão para a pizza. Almoço, em cada cultura, é classificado diferentemente, o que significa que para nós só deve ser comido com arroz e não servido de outra maneira. Para outros povos, pode ser consumido até em forma de doce”, explica Yaccoub, que se especializou na avaliação do consumo de camadas populares e dá aulas na Escola Superior de Propaganda e Marketing do Rio de Janeiro.

Feijoada é a bola da vez

Tudo indica que a Feijoada é a grande estrela do momento. A empresa suíça Hug Familie, detentora da marca Darvida, lançou o biscoito DarVida Feijoada. De acordo com comunicado à imprensa sobre o produto, “o biscoito encontra o temperamento brasileiro”.

“Inspirados na feijoada, lançamos um snack com o jeito animado dos brasileiros”, relata o texto da Hug Familie. A Zweifel também colocou nas prateleiras suíças a batata frita sabor feijoada, batizada de World Champion Chip. Como muitos brasileiros que vivem na Suíça atravessam a fronteira da Alemanha para fazer compras, eles têm descoberto por lá outros produtos que tentam parecer ter a cara do Brasil. O supermercado Kaufland, na Alemanha, por exemplo, colocou nas gôndolas a também pizza de Feijoada. Na embalagem constam um pandeiro, um penacho indígena, um chocalho e uma mulata vestida de rainha de bateria, sambando sobre a pizza, que é coberta de pimentão, milho verde e feijão.

Na Copa vale tudo

Como as empresas não divulgam números de vendas, não há como avaliar a aceitação dos produtos. Mas a contar pela opinião dos brasileiros, a reação tem sido de estranheza, dosada com muito bom humor. De acordo com a jornalista brasileira Ana Carolina Pires, que sempre posta fotos dos produtos que encontra em suas idas ao supermercado, ela ainda não teve coragem de comprar um biscoito que tenha gosto de feijoada e pizza com feijão.

“Sinceramente, isso é total falta de conhecimento da nossa cultura”, comenta Ana Carolina, que vive em Zurique há seis anos. A febre do Brasil, no entanto, tem seu lado positivo. “A minha filha de nove anos está muito orgulhosa de ser brasileira. Ela disse que o Brasil está na moda”, explica.

Outros brasileiros, no entanto, comprariam as misturas exóticas sem problemas. A gaúcha Lana Domenica, há 15 anos vivendo em Berna, tem experimentado todos os produtos que encontra com Brasil na embalagem. “Eu gosto de provar as novidades, mas essas comidas são surreais.  Como estamos no clima de Copa do Mundo, vale tudo”, explica. O bom humor referente ao assunto pode ser constatado no Facebook, onde o perfil “Na Alemanha tem?”, vem mostrando uma série de lançamentos naquele país como a pizza de feijoada, de banana com canela, maquiagem e, pasmem, até papinha de neném da marca Babylove com goiaba, abacaxi e manga, que traz a bandeira do Brasil em forma de coração. O mais recente post mostra a bala alemã Haribo, com bandeira brasileira e o slogan: “Haribo faz crianças felizes e o Brasil também”. De acordo com a blogueira  Melize Colucci, dona do perfil e do blog Na Alemanha tem.com, a busca por esse tipo de informação começou há quatro anos com a seção Bizarrices. Melize Colucci conta que desde que o clima de Copa começou, sai na rua com câmara fotográfica e registra tudo. Está juntando material inédito para publicar em um post especial na semana da Copa.

Nem tudo é estranho

É claro que nem todos os lançamentos são vistos como bizarros. As trufas de edição limitada sabor caipirinha, da suíça Chocolate Frey são um exemplo. Como Copa do Mundo remete a bebidas alcóolicas, a cerveja Eve, da marca Suíça Cardinal, também se rendeu aos encantos tropicais e já colocou no mercado a Eve Sabor Caipirinha. O uísque Ballantines se apropriou da ocasião com o novo Ballantines Brasil, uma fusão da bebida com a exótica Caipirinha.

A mania brasileira foi parar em outros setores. A marca francesa Guerlain lançou o Aqua Allegoria Limon Verde, que como o nome próprio diz, a flagrância tem notas frescas de limão. O criativo material publicitário da empresa convida o consumidor a “degustar uma Caipirinha embaixo de pés de limão na margem do rio Amazonas”, como se houvesse plantação da fruta na Floresta Amazônica.

A marca de cosméticos Lancaster também atacou no mesmo alvo com o perfume Sol da Bahia. De acordo com a marca, Sol da Bahia é ideal para dias quentes de verão e ajuda a entrar no clima de férias, cujo odor remete a uma viagem para as praias de areia fina do Brasil. A marca de porcelanas Villeroy & Boch lançou a linha de xícaras de café New Wave Café Cities of the World, com doze cidades do mundo, incluindo o Rio de Janeiro.

São tantos os produtos  que seria inútil tentar identificar todos. Vale acrescentar que o Brasil está em todos os cantos, desde promoções “compre aqui e ganhe uma passagem para ver os jogos da Copa” quanto em escova de dentes. Para nós brasileiros, fica a ótima oportunidade de saber o que os estrangeiros pensam de nós e exatamente o que eles veem quando se fala o nome Brasil.  Aproveite para se ver refletido no espelho do mundo.

swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×