Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Solidariedade transfronteiriça Paciente francês de Covid-19 tratado na Suíça dá o seu relato

enfermeira em hospital

Jean-Paul Martin foi internado em uma unidade de terapia intensiva do hospital cantonal de Fribourg (foto). 

(Keystone / Anthony Anex)

Jean-Paul Martin é um dos 49 pacientes franceses da Covid-19 que foram tratados na Suíça porque os hospitais da região do Grand Est atingiram saturação em março. Ele nos conta a história de sua luta contra o coronavírus, que quase o matou.

Custos de hospitalização cobrados na França

Diante da sobrecarga dos hospitais franceses na região do Grand Est durante o pico da pandemia do coronavírus, uma política local, Brigitte Klinkert, recorreu aos cantões suíços vizinhos para pedir ajuda. O seu pedido foi recebido favoravelmente. Um total de 49 pacientes franceses da Covid-19 foram hospitalizados na Suíça. A Alemanha cuidou de outros 80 pacientes. Enquanto a Alemanha decidiu cobrir os custos da hospitalização, a Suíça não planejava fazer tal gesto em relação ao seu vizinho. O Departamento Federal de Saúde Pública (FOPH) indica que "os custos de tratamento serão cobrados do seguro de saúde francês de acordo com as mesmas tarifas aplicadas aos segurados suíços".

Aqui termina o infobox

Jean-Paul Martin vive na cidade de Munster, na região alsaciana do Grand Est ​​​​​​​francês. 

((ldd))

"Eu caí em um grande buraco negro". Jean-Paul Martin descreve o coma artificial em que foi mergulhado durante 16 dias, um tempo suspenso entre a vida e a morte.

Sua luta contra a Covid-19 trouxe o francês de 67 anos para a Suíça. Transferido para o hospital de Fribourg para aliviar os hospitais da região do Grand Est, sobrecarregado pela pandemia, ele ficou entubado por pouco mais de duas semanas em terapia intensiva, para ajudar seus pulmões a reagir e superar a doença.

Agora fora de perigo, Jean-Paul Martin, contatado por telefone alguns dias antes de deixar o hospital de Colmar (França) para um centro de reabilitação próximo, relembra sua louca epopeia.

O nada

Ele e sua esposa Monique ficaram doentes ao mesmo tempo em meados de março. "Estávamos tossindo e tínhamos febre", diz ele. Como o casal encontrava-se muito debilitado, o clínico geral os visitou em sua casa na pequena cidade alsaciana de Munster. Naquele momento, ele notou que Jean-Paul Martin tinha um nível anormalmente baixo de oxigênio em seu sangue.

No dia 25 de março, o aposentado foi internado em Colmar. "Ainda me lembro de ter comido algo no dia seguinte ao meio-dia, depois foi o nada. Acordei 16 dias depois, em Friburgo", conta ele. Ele se considera "sortudo", "algumas pessoas estão em coma por mais de 50 dias". Hoje, ele consegue colocar sua experiência em palavras: "É um sono profundo". Eu disse a mim mesmo que aqueles que morrem depois de estarem em coma não percebem nada".

Martin conversando com sua mulher por videoconferência. 

( ldd)

O despertar

Levou um certo tempo para o paciente perceber que havia sido transferido para o país vizinho, terra que ele conhece um pouco por visitar parentes expatriados. Suas lembranças do tratamento na Suíça são nebulosas. "No meu leito de hospital, imaginei o Lago Gruyère, pelo qual eu passava com freqüência". Gradualmente, algumas frases ou trechos de conversa vêm à mente. "Eu me lembro de uma enfermeira me dizer: 'Vou te barbear para você ficar bonito de novo'".

Todos os dias, a enfermagem do hospital de Fribourg informava Monique Martin sobre o estado de saúde de seu marido. "É um elo muito importante e reconfortante. Sem ele, as famílias não sabem o que está acontecendo com o seu ente querido. Na França, é mais difícil obter informações", diz o paciente convalescente.

Gratidão

Em 16 de abril, a condição do paciente alsaciano se estabilizou e ele pôde retornar ao Hospital Pasteur em Colmar. Ainda desorientado e fraco, ele não se lembra do retorno. "Ainda não pedi minha ficha para saber se fui transportado de helicóptero". Quando cheguei na França, ao me perguntarem onde eu estava, respondi 'na Suíça'".

Com o passar dos dias, Martin está ficando mais forte e começa a juntar as peças. "Só agora percebo o que realmente me aconteceu", confidencia-nos ao telefone. Ele se considera muito sortudo e expressa sua gratidão à equipe de enfermagem que cuidou dele na Suíça e na França. "Agradeço também aos políticos por seus esforços para facilitar a transferência de pacientes entre países", diz ele.

"É um sono profundo. Eu disse a mim mesmo que aqueles que morreram depois de serem colocados em coma não perceberam nada".

Jean-Paul Martin

Aqui termina a citação

A solidão

Fisicamente, Jean-Paul Martin está melhor, mas sente-se só. No último mês, ele tem permanecido completamente isolado para evitar o risco de infectar outras pessoas. Ele só vê os cuidadores atrás de suas máscaras protetoras. "Tenho muitas saudades das relações humanas".

Jean-Paul Martin ajuda a marcar os caminhos da região com o Clube Vosgien. 

(ldd)

Embora ele possa falar com sua família por videoconferência graças aos tablets fornecidos pelo hospital, mas isso dificilmente substitui a conversa presencial. "Nós nos ouvimos, nos vemos, mas já faz mais de um mês que não nos abraçamos", diz Jean-Paul Martin. Enquanto espera para se reunir com sua esposa, sua filha e seu neto, ele planeja voltar para casa e já sonha em poder caminhar novamente na natureza.

A natureza

Na conversa, a palavra natureza surge com freqüência. Jean-Paul Martin está próximo a ela. Ele dedica seu tempo livre à sua proteção, como membro do Club VosgienLink externo. É também ela, a natureza, "que quis que eu ainda estivesse aqui". Em tempos de crise, "a natureza nos lembra que não estamos acima dela, que um vírus pode virar tudo de cabeça para baixo, nossas vidas, nossas relações, nossa economia".

Encontrar seus entes queridos, continuar cuidando de sua mãe de 88 anos, cara caminhar novamente ao longo das trilhas ele ajuda a marcar. É assim que Jean-Paul Martin imagina seu retorno à normalidade. "Vou aproveitar ainda mais a vida. Há claro algumas preocupações diárias, mas não vale a pena fazer delas uma montanha".

especiais

COVID-19 Coronavírus na Suíça

Era apenas uma questão de tempo até que o coronavírus, o COVID-19, chegasse à Suíça. Quantos casos já ocorreram? Quais as medidas tomadas pelo governo? A que ponto a pandemia afeta a economia do país. Essas informações são apresentadas neste dossiê.



swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.