Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Solidariedade Suíça vai gastar menos na luta contra a pobreza

O governo suíço fez uma avaliação positiva do seu programa nacional contra a pobreza, mas decidiu alocar substancialmente menos recursos para os próximos cinco anos.

A picture of a wardrobe in the streets for homeless people to help themselves to blankets

Um guarda-roupa ao ar livre perto de Lausanne que permite que pessoas desabrigadas se sirvam de roupas e cobertores, especialmente durante os meses frios do inverno

(Keystone)

Existem atualmente 615.000 pessoas vivendo na pobreza na Suíça, o que corresponde a 7,5% da população residente permanente, disse o Conselho Federal (governo) em um comunicado na quarta-feira (18). Cerca de 108.000 das pessoas afetadas são crianças.

Em comparação com anos anteriores, a taxa de pobreza está estável, acrescentou o governo, mas há uma ligeira tendência a aumentar.

+ sobre o que deve ser feito para combater a pobreza na Suíça

Nos últimos cinco anos, o governo federal - em conjunto com cantões, municípios e organizações não-governamentais - implementou um programa para prevenir e combater a pobreza no país. Foram gastos um total de 9 milhões de francos suíços para este fim entre os anos de 2014 e 2018.

Cortes substanciais

Em seu relatório, o Conselho Federal concluiu que o programa provou ser bem-sucedido e renovou seu compromisso de combater a pobreza. No entanto, embora tenha prometido 2,5 milhões de francos suíços adicionais ao programa nos próximos cinco anos, isso representa menos de um terço do dinheiro fornecido durante os quatro anos anteriores.

O governo também não introduzirá um sistema de monitoramento da pobreza, anunciou. O Departamento Federal de Estatística já está realizando estudos sobre o desenvolvimento da pobreza no país, disse o Conselho Federal.


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.