Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Taxa de rádio e televisão Imprensa suíça pede reformas após voto "No Billag"

Os editorialistas da imprensa suíça interpretaram a enorme rejeição (71,6%) à iniciativa "No Billag", no domingo, como um forte sinal de apoio a um serviço de rádio e televisão suíço com financiamento público.

Director General of the Swiss Public Broadcasting Corporation Gilles Marchand speaks to the press during the No Billag vote

O Diretor Geral da SSR, Gilles Marchand, fala à imprensa sobre o voto "No Billag" (do nome da empresa que cobra a taxa de rádio e televisão na Suíça) no domingo

(Keystone)

No entanto, eles acreditam que a Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SSR SRG) deve reduzir o tamanho, e as opiniões variam amplamente sobre como isso poderia ser alcançado.

Neue Zürcher Zeitung

O jornal com sede em Zurique argumenta que a "base social" para uma taxa anual para as famílias suíças - que atualmente é de CHF451,10 - está "desmoronando" e que a empresa deve, portanto, considerar se os fundos devem vir do orçamento federal no futuro. "O voto marca o fim de uma época para a SSR; ela não pode mais financiar uma grande variedade de programas com taxas financiadas publicamente. As condições-quadro para a transmissão pública devem ser determinadas pela política", afirmou o jornal.

Tages-Anzeiger

O Tages-Anzeiger, outro jornal de língua alemã de Zurique, observou que o voto do domingo ilustra como o modelo suíço de democracia direta possibilita que os cidadãos incitem mudanças em questões "negligenciadas" pelo Conselho Federal (governo) e pelo Parlamento. "Os políticos não conseguiram restringir a SSR, e agora a própria empresa percebeu que é hora de limitar seu alcance", disse o jornal. "A SSR vem prosseguindo com uma política de expansão agressiva à custa do setor de mídia privada há anos e tornou-se uma corporação gigante com uma enorme quantidade de canais e uma estratégia de publicidade controversa. Finalmente, a empresa quer se tornar mais modesta".

Basler Zeitung

Ainda não terminou - esta foi a principal mensagem do jornal da Basileia, que prevê que "a próxima iniciativa que critica o financiamento da SSR estará aqui em breve" se as reformas principais não forem implementadas. "Apesar do não-voto, as questões fundamentais ainda não estão fora da mesa. O serviço público de radiodifusão e televisão e sua estrutura de financiamento devem ser definidos de forma mais clara. A SSR deve se tornar uma espécie de agência de notícias para conteúdos audiovisuais que podem ser acessados gratuitamente pelos indivíduos", afirmou o jornal de língua alemã.

Le Temps

O jornal de língua francesa chamou o resultado do voto de "esmagador", acrescentando que "o desafio agora é descobrir exatamente o que os suíços querem dizer com este voto e como os políticos e a própria SSR pretendem prosseguir". O jornal especulou que, enquanto a SSR prometeu aceitar críticas e avançar em conformidade, uma reforma fundamental do sistema de mídia suíço ainda é uma visão do futuro distante, observando que será interessante ver como as coisas se desenvolvem, uma vez que o debate sobre uma distribuição de diferentes taxas começa.

La Liberté

A paisagem da mídia atual merece um debate aprofundado, escreveu o jornal de língua francesa com base em Friburgo. Como a SSR, os jornais também precisam reconhecer o papel crucial que desempenham na transmissão do serviço público, disse o jornal. "Esta vitória não pertence à SSR, mas ao público, que entendeu que uma televisão puramente comercial não garante qualidade", acrescentou.

Tribune de Genève

O jornal de língua francesa de Genebra chamou a votação do domingo de "momento decisivo". Ele acrescentou que, embora os cidadãos não abolissem a SSR, eles também não querem preservá-la em sua forma atual, e que há uma "tarefa gigantesca pela frente" para a empresa. O jornal acrescentou que a variedade de ofertas de mídia suíça não deve mais ser ignorada. A imprensa privada contribui tanto para a diversidade de opiniões quanto para um debate público, como a SSR, diz.

La Regione

O jornal da parte de língua italiana do país resumiu assim: "A SSR foi salva, mas seu futuro é um grande ponto de interrogação". Para o jornal, está claro agora que a emissora terá que ser mais barata, menor e menos "gananciosa" - o último em referência à maior parte do financiamento que recebe da taxa em comparação com estações de rádio e televisão privadas. O artigo ecoou outras mídias suíças quando acrescentou que o debate sobre o futuro da emissora pública, e do serviço público em geral fornecido pela mídia suíça, acaba de começar.


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.