Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Terror no 14 de julho


Dois suíços entre as vítimas na França


O atentado ocorreu durante as comemorações do 14 de julho, o dia nacional da França (AFP)

O atentado ocorreu durante as comemorações do 14 de julho, o dia nacional da França

(AFP)

Dois suíços morreram no ataque terrorista de Nice, anunciou a Polícia Federal suíça. Uma mulher de 54 anos do cantão do Ticino e uma criança. Outros esclarecimentos estão em curso, indicou a Chancelaria Federal.

O presidente da Suíça, Johann Schneider-Ammann, condenou fortemente o ataque na França, onde um caminhão atropelou uma multidão que assistia as comemorações do dia nacional francês, matando 84 pessoas, entre elas várias crianças.

Em um tweet, Schneider-Ammann chamou o ataque na cidade do sul da França de "covarde".

"Meu coração está com a França e sua população", escreveu.

"Temos que lutar contra toda forma de terrorismo, mas não há uma resposta clara, senão já teríamos reagido", disse Schneider-Ammann à Agência Suíça de Notícias ATS, do lado de fora da reunião Ásia-Europa em Ulan Bator, na Mongólia, onde participava.

Por volta das 23:00, hora local, um grande caminhão branco acelerou em direção à multidão que estava no passeio marítimo de Nice, a “Promenade des Anglais”. Milhares de pessoas se reuniram no local para assistir os fogos de artifício para o dia nacional da França. Relatos dizem que o motorista teria também disparado tiros.

Pelo menos 84 pessoas morreram, entre elas várias crianças, revelou o Ministério do Interior francês na manhã de sexta-feira. Outras 48 pessoas estão em estado grave no hospital.

O agressor foi morto a tiros pela polícia.

O presidente francês, François Hollande, disse em um discurso na televisão, antes do amanhecer, que o país estava "sob a ameaça do terrorismo islâmico".

O ataque de Nice aconteceu oito meses e um dia após a série de ataques terroristas em Paris, nos quais 130 pessoas morreram.

 (swissinfo.ch)
(swissinfo.ch)


Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch com agências

×