Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Transparência Internacional Suíça classificada entre países menos corruptos

Pelo segundo ano consecutivo, a Suíça ficou em terceiro lugar, igualando Finlândia, Suécia e Singapura, no Índice de Percepção da Corrupção 2018 da Transparency International, que se concentra na corrupção do setor público.

Swiss flag on building

A Suíça ficou entre os sete principais países do ranking nos últimos três anos. No entanto, ainda há espaço para melhorias na redução da corrupção, segundo a Transparency International

(Keystone)

A Dinamarca ficou em primeiro lugar no índice anualLink externo (link em inglês) da ONG, publicado na terça-feira (29), como o país menos corrupto seguido pela Nova Zelândia. O estudo analisa percepções de empresários e especialistas sobre o nível de corrupção no setor público de cada país.

A Somália foi classificada como a mais corrupta, seguida pela Síria e pelo Sudão do Sul. Desde 2012, apenas 20 países melhoraram significativamente suas pontuações e 16 diminuíram significativamente.

Os Estados Unidos caíram quatro pontos, saindo dos 20 primeiros países pela primeira vez desde 2011.

Corrupção Políticos suíços não tão exemplares

A Suíça faz parte dos países menos corruptos do mundo, mas vários políticos se encontram atualmente sob investigação penal por ter aceitado presentes.

O Índice de 2018 também realizou uma análise cruzada com vários índices de democracia e encontrou uma ligação clara entre ter uma democracia saudável e combater com sucesso a corrupção no setor público. Em um comunicado de imprensa, a ONG afirmou que “o fracasso contínuo dos países em controlar significativamente a corrupção está contribuindo para uma crise da democracia em todo o mundo”.

Espaço para melhorias

A Suíça ficou entre os sete principais países nos últimos três anos. No entanto, ainda há espaço para melhorias na redução da corrupção, observa a ONG.

"A Suíça tem sérias deficiências em áreas-chave do trabalho de combate à corrupção que não estão incluídas no índice, como lavagem de dinheiro, proteção a denunciantes e corrupção no setor privado e no esporte", afirmou em um comunicado.

Nos últimos anos, os bancos suíços e outros intermediários financeiros e facilitadores estiveram envolvidos em grandes escândalos de lavagem de dinheiro e corrupção em todo o mundo, como os ligados ao 1MDB na Malásia ou à Odebrecht e Petrobrás no Brasil.

A Transparency International utilizou pesquisas e avaliações para medir a corrupção do setor público em 180 países e territórios, atribuindo a cada um deles uma pontuação que varia de zero (altamente corrupto) a 100 (muito pouco corrupto). O índice não leva em conta a percepção do público sobre a corrupção ou os problemas de corrupção encontrados no setor privado ou no financiamento de partidos políticos, por exemplo.


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.