Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Um vale íngreme distante vinte minutos de Nova Friburgo concentra a maior quantidade de imigrantes helvéticos por metro quadrado da Região Serrana, quase todos membros de uma mesma família originária da região de Gruyère.

Luís Otílio Ouverney com a sua "tuía" de carregar inhame. (swissinfo.ch)

Luís Otílio Ouverney com a sua "tuía" de carregar inhame.

(swissinfo.ch)

Eles viviam em condições de absoluta pobreza e casavam-se entre si por desconfiar de estranhos. Já as novas gerações procuram outros caminhos.

O convite de um dos organizadores do 6° encontro suíço-brasileiro em Nova Friburgo foi bem recebido pelos jornalistas presentes. Encontrar descendentes diretos de imigrantes helvéticos do início do século 19 e que até hoje vivem como os seus antepassados. A jovem repórter do Jornal La Gruyère tinha dificuldades para acreditar, mas os presentes confirmaram a sua existência.

No pequeno povoado de Lumiar, o 5° distrito de Nova Friburgo, na região serrana estado do Rio de Janeiro, situando-se a 28 km da sede do município, existe uma localidade chamada Benfica. Para ter acesso ao local, é preciso subir uma inclinada estrada de terra em péssimas condições atravessando um vale estreito. Suas casas são quase todas de pau-a-pique, com algumas poucas exceções construídas nos últimos anos.

Depois de o carro arrastar em cima de muitas pedras, chega a um casarão ao lado de um simples casebre e um chiqueiro. Frente ao portão, os visitantes batem palmas, como é comum no interior para anunciar a chegada. "Tô chegando", escuta-se dos fundos. Em poucos minutos surge um senhor curvado de cabelos brancos e vivos olhos azuis. Ele se apóia em uma bengala para caminhar. Na cabeça um chapéu de palha e no corpo, uma velha camisa e calças curtas. Os pés cascudos estão descalços, ainda cheios de lama.

Luís Otílio Ouverney, 83 anos, é o patriarca de uma grande família. Casado há 60 anos com sua prima Anise Zenith Ouverney, os dois tiveram 12 filhos, quase todos ainda residentes do mesmo vale. Ele próprio também teve muitos irmãos. "Eram 13, morreram cinco e sete tão vivo", conta. Questionado sobre suas origens, a resposta vem rápida. "A gente sabe que vem da Suíça desde que se conhece por gente."

Poucos recursos

O guia acrescenta que os Ouverney partiram em 1819 da região do Gruyère, região de língua francesa no cantão de Friburgo, rumo ao Brasil. Pesquisadores locais, como Alberto Lima Wermelinger, explicam que eles ganharam terras localizadas em Lumiar com a promessa de serem férteis. Porém, ao avaliar a topografia do vale, os visitantes ficam em dúvida: por todos os lados altas colinas cobertas de florestas tropicais, terrenos inclinados e pedregosos, onde o plantio é extremamente penoso.

Embaixo de algumas bananeiras e jabuticabeiras cobrindo o córrego que passa atrás da sua casa, Luís Ouverney explica que costumava plantar inhame, milho, café e mandioca em uma pequena superfície plana ao lado de uma das colinas. "Era lá no alto do morro. A gente tinha de subi na mata, trabaiá a terra e descia carregando o plantio na tuia", descreve apontando para um balaio de taquara. Para os suíços presentes, o termo "tuia" vem provavelmente do "patois", um dialeto do francês.

O trabalho era feito apenas com enxada, enxadão, machado e foice. Instrumentos como arados não serviam para as terras de Benfica. "Lá para os lado de Lumiar existia. Mas aqui é muito alto e muita pedra. Onde tem pedra, o arado não vale nada". Para complementar a alimentação, a família criava uma dezena de cabeças de gado - das quais Luís ainda mantém seis, todos infestados de berna - e alguns porcos e galinhas. O excesso da produção, sobretudo de inhame, era vendido aos comerciantes locais de Lumiar apesar do difícil transporte. "Num tinha estrada. Ia tudo no lombo do burro"

"Gente estranha"

Outra lembrança do passado suíço também pode ser encontrada em alguns utensílios usados pelos Ouverney. O ferro de fazer "brechi", uma espécie de biscoito típico suíço, é um deles. Porém um fato trágico provocou a sua perda. "Tinha uma prima que não deixava a gente casà com primo. Ela casou com gente estranha e foi para o Espírito Santo. Nasceu sete filhos aleijado. Além disso, levou o ferro de fazer brechi com ela."

Mas Luís se apressa a explicar que a maior parte dos Ouverney sempre ficou no vale. Quando casavam, construíam eles mesmo uma casa de pau-a-pique ao lado dos parentes. A tradição dizia que um terço da produção, a "terça", era para os pais ou os donos tradicionais das terras plantadas. Questionado sobre tempo de penúria, o idoso retruca. "Naquele tempo colhia muito, muito milho, muito feijon, muita batata-doce. A gente nunca passou fome. Só quando ia trabaiá longe é que não ia comido."

Humor camponês

A simplicidade das palavras do descendente de suíços se explica pelo isolamento da comunidade em Lumiar. "Ninguém de nóis foi pra escola. Num sabemu de nada.
A nossa vida sempre foi apanhá e trabaiá", conta. Por isso suas palavras são diretas. O queijo coalho preparado pela esposa se chama simplesmente "queijo", assim como as vacas também nunca tiveram um nome. Elas sempre foram simplesmente animais.

Porém o humor afiado demonstra a perspicácia do camponês. "Cê pode come a banana se ela não fizé mal na barriga", diz ao jovem suíço pouco depois dele ter devorado uma banana tirada do pé.

Em uma região sem hospitais ou postos de saúde, falar de doença também soa estranho nos ouvidos de Luís. Ele explica ter ficado doente apenas duas vezes. "Uma vez fiquei quatro anos sem pode andá e depois dois anos. Agora tenhu de segurá o cacete", diz com a bengala de bambu na mão. Hoje vive graças à aposentadoria de trabalhador rural, que garante uma renda mensal de 465 reais.

Sua esposa Anise aproveita a conversa na cozinha para servir o café, extremamente açucarado para o gosto dos jornalistas suíços, queijo coalho e biscoitos. Ela também explica que a casa onde vivem tem apenas 10 anos. Ela foi construída com ajuda dos familiares para substituir a tradicional de pau-a-pique. Hoje, além do tradicional fogão à lenha, já dispõe de micro-ondas, televisão e geladeira. A região foi eletrificada há apenas vinte anos.

Modernidade

Esquecida durante um século e meio após a sua colonização por suíços, Lumiar começou a se tornar conhecida em meados dos anos 1970 como ponto de encontro para "hippies" e amantes da natureza. Em poucas décadas, a popularização do turismo ecológico e melhoras na infra-estrutura, tornou o local conhecido em todo o país. As mudanças são consideráveis.

Luís Ouverney conta que as autoridades já não permitem mais o corte das árvores nas encostas de Benfica. Também alguns dos seus 38 netos não precisam mais da agricultura para sobreviver. "Uma filha é professora na escola", lembra orgulhoso. Outros membros da família Ouverney - seriam 240 na contagem do patriarca - estariam trabalhando como explicam taxistas de Lumiar, como donos de pousadas, restaurantes ou até funcionários do governo municipal em Nova Friburgo.

Também uma das tradições do vale já saiu das suas fronteiras. A Festa de Benfica encerra a temporada de festas juninas em toda a região. Em 2009, foram três dias de forró de 18 a 20 de setembro, o que mostra que a população, apesar dos cabelos loiros, já se adaptou bem à cultura brasileira.

Alexander Thoele, Nova Friburgo, swissinfo.ch

Lumiar

Lumiar é o 5° distrito do município de Nova Friburgo, na região serrana estado do Rio de Janeiro, situando-se a 28 km da sede do município e 150 quilômetros da capital do estado.

Lumiar está localizada na serra fluminense a aproximadamente 700 metros de altitude. A região surgiu da ocupação pelos imigrantes das margens do rio Macaé e seus afluentes.



Links

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×