AFP

Um casal dança na "Casa de la Trova", em Guantánamo, Cuba, no dia 13 de março de 2016

(afp_tickers)

A rumba cubana e o merengue da República Dominicana foram inscritos nesta quarta-feira na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco, anunciou a organização.

As festas das Fallas de Valência, na Espanha, que comemoram a chegada da primavera, e a cultura da cerveja na Bélgica também estão na lista aprovada por um comitê intergovernamental reunido desde segunda-feira em Adis Abeba, capital da Etiópia.

Esta inscrição garante uma maior notoriedade ao patrimônio cultural imaterial e contribui para que se tome uma maior consciência sobre a sua importância.

A delegação de Cuba dedicou o reconhecimento da rumba à memória do líder da Revolução cubana, Fidel Castro, morto na sexta-feira aos 90 anos.

"A rumba em Cuba, com suas canções, movimentos, gestos e sua música é uma expressão de resistência e de autoestima, que evoca a graça, a sensualidade e a alegria de conectar pessoas", resume a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura em um comunicado.

O novo patrimônio é, ainda, "um instrumento de sociabilidade que enriquece a vida das comunidades que o praticam", aponta o comunicado.

A rumba, uma mistura festiva de dança e música, surgiu nos bairros pobres da capital e está ligada à cultura africana, mas também possui alguns elementos característicos da cultura antilhana e do flamenco espanhol, segundo a Unesco.

Também no campo da música e da dança, o merengue da República Dominicana foi reconhecido como "parte integrante da identidade nacional" de um país que, desde 2005, lhe dedica um dia nacional.

Esta "prática tradicional", que atrai pessoas de "diferentes origens sociais e econômicas," desempenha "um papel ativo em vários aspectos da vida cotidiana", da "educação aos encontros sociais e eventos festivos, passando pelas campanhas políticas", afirmou a entidade, com sede em Paris.

Bonecos gigantes e cerveja

As Fallas de Valência, uma das festas mais populares da Espanha, foram também consagradas na lista.

Todos os anos entre os dias 14 e 19 de março, bonecos gigantes de madeira e papelão de até 30 metros de altura invadem todos os cantos de Valência e povoados da região.

As Fallas são "um motivo de orgulho para as comunidades e contribuem para construir sua identidade cultural e coesão social", disse a Unesco.

Sua entrada na lista da Unesco foi recebida com orgulho pelos responsáveis dessa celebração.

"É bonito, no sentido de que se reconhece finalmente todo o conjunto do que significa a festa", disse à AFP Ximo Esteve, vice-mestre maior da associação de artistas falleros de Valência.

A celebração, cujas origens remontam ao século XVIII e que sobreviveu a momentos de censura, atrai mais de um milhão de visitantes, um número que os organizadores esperam que aumente com o reconhecimento da Unesco.

A tradição cultural cervejeira belga também entrou na prestigiosa lista. De acordo com a Unesco, esta "desempenha um papel importante tanto na vida diária como nos eventos festivos".

Ao apresentar sua candidatura, Bruxelas argumentou que "fabricar e apreciar a cerveja", com seus mais de 1.500 tipos diferentes, "faz parte do patrimônio cultural vivo de uma grande parte de comunidades de toda a Bélgica".

Entre os outros escolhidos estão também os 24 períodos solares do calendário chinês e a festa "Mangal Shobhajatra", com a que se comemora o Ano Novo em 12 países, incluindo Bangladesh e Índia.

A análise de um total de 37 candidaturas continuará na tarde desta quarta-feira e na quinta-feira.

O festival de El Callao da Venezuela e a charreada do México são alguns dos candidatos que poderiam ser incluídos nesta lista.

afp_tickers

 AFP