Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

VPET 18 Sistema suíço de formação técnica é modelo para o mundo

Aprendiz durante a conferência VPET de 2016

Aprendiz em ação durante o congresso da VPET em 2016

(vpet-congress)

Singapura, Estados Unidos e Moçambique: três países, três experiências de aprendizado muito diferentes. O que eles esperam aprender de um importante congresso sobre treinamento vocacional e profissional, que será realizado na Suíça?

Enquanto Singapura, com uma taxa de desemprego de 2%, procura expandir as suas opções educacionais com formação profissional, Moçambique, que tem 25% de desemprego, vê a aprendizagem como uma forma de dar mais competências e empregos aos jovens. Os EUA têm cerca de 4% de desemprego, mas já há muito tempo o país registra um grande déficit de trabalhadores qualificados.

A swissinfo.ch entrou em contato com um especialista de cada um desses países que participam do III Congresso Internacional de Educação e Treinamento Profissional (VPET) em Winterthur, no cantão de Zurique, que começa em 6 de junho, para descobrir como as formações profissionalizantes funcionam em seus países de origem.

O sistema duplo da Suíça, que combina educação com um aprendizado em uma empresa anfitriã, é muitas vezes apresentado como um modelo para os outros países.

Ong Ye Kung, Ministro da Educação de Singapura

Ong Ye Kung (cortesia)

(ZVG)

O ministro, para quem a educação no estilo suíço não é nenhuma novidade - ele tem um MBA do Instituto de Desenvolvimento Gerencial em Lausanne - diz que se sente lisonjeado em poder falar no evento. “A Suíça e Singapura são nações pequenas, dependentes das nações em seu entorno e o mundo para a escala de suas economias, e que dão grande ênfase ao desenvolvimento de nossos povos. Embora o objetivo seja o mesmo, nossas abordagens e políticas em relação à educação e desenvolvimento de talentos são diferentes devido às nossas respectivas circunstâncias históricas e culturais. Isso contribui para um aprendizado mútuo rico. Ao longo dos anos, sucessivos ministros da educação visitaram a Suíça, quase anualmente, para aprender sobre o seu sistema. ”

Ong diz, no entanto, que ainda é necessária uma mudança de mentalidade em relação à formação profissional em Cingapura. Embora algum progresso tenha sido feito, precisamos incentivar mais empresas a treinar suas forças de trabalho, diz ele. Entre as iniciativas que ele cita e que envolvem os empregadores estão o novo diploma técnico baseado na formação profissionalizante oferecida pelo Instituto de Educação Técnica de Singapura, e os programas SkillsFuture ("ganhar e aprender"; diploma conjuado de trabalho-estudo).

“No centro de tudo isso, nosso objetivo é desenvolver um sistema de caminhos diversos, onde nossos jovens possam escolher entre opções dentro do espectro de aprendizado acadêmico e treinamento vocacional baseado em aprendizado, e encontrar um caminho que lhes convenha, valorize seus pontos fortes e os ajude a traçar carreiras satisfatórias. ”

Kathryn P. Castelloes, Diretora de Cursos de Formação, North Carolina Community Colleges, EUA

Kathryn P. Castelloes (cortesia)

(ZVG)

CastelloesLink externo supervisiona programas profissionalizantes na Carolina do Norte e tem por missão garantir que eles atendam aos requisitos estaduais e federais. O modelo do estado combina aprendizado no local de trabalho e instrução em sala de aula em diversos estágios e idades, inclusive para veteranos. Mais de 600 empregadores pagam aprendizes em todo o estado, mas a Carolina do Norte quer expandir isso ainda mais.

Castelloes espera retomar idéias inovadoras e melhores práticas do congresso em Winterthur. "Eu também gostaria de aprender mais sobre políticas potenciais que poderiam ser utilizadas no meu estado, de modo que mais aprendizados possam ser adotados dentro de nossos sistemas educacionais", diz ela.

Empresas como a Daetwyler, de engenharia de precisão, realizam aprendizagens ao longo do modelo suíço na Carolina do Norte. “A Daetwyler iniciou o aprendizado em 1995 e continua sendo líder em aprendizados em todo o país. O sistema suíço está sendo visto cada vez mais como um modelo a ser duplicado por outros. O sistema está ganhando mais atenção, cada vez mais promovido à medida que mais empresas se envolvem ”, observa Castelloes.

Quem também estará falando no congresso será a Secretária de Educação dos EUA, Betsy DeVos. Sua presença vem logo depois que o governo Trump anunciou um aumento de vários milhões para programas de aprendizado e de carreira / educação técnica.

Mzikazi Ntuli, Conselheira de Programas de Desenvolvimento e Administradora de Bolsas de Estudo, ADPP, Moçambique

Mzikazi Ntuli (cortesia)

(ZVG)

“O problema crescente do desemprego e subemprego dos jovens é uma das principais preocupações de desenvolvimento socioeconômico da maioria dos governos africanos. Sem habilidades profissionais, jovens e adultos não podem se beneficiar das oportunidades de emprego que oferecem uma renda decente ”, diz Ntuli. A situação de aprendizado em seu país não está bem desenvolvida, com a maioria das oportunidades sendo oferecidas pelo setor privado e por ONGs como a dela.

A educação profissional está sendo reformada em Moçambique. Isso deve resultar em um sistema de treinamento mais orientado pela demanda, proporcionando às pessoas mais habilidades relevantes para o mercado e mais oportunidades econômicas, diz Ntuli. Quase 80% da força de trabalho não completou o ensino primário, segundo dados do governo.

A contribuição de Ntuli ao congresso será, nas suas palavras, uma “autêntica história de sucesso africana”: focar em dois projetos apoiados pela ADPP para impulsionar a empregabilidade e o empreendedorismo entre os jovens, especialmente as mulheres, em Moçambique.

Além de aprender com outros sistemas de aprendizado, Ntuli também espera descobrir como as pessoas maximizaram a tecnologia para fornecer habilidades profissionais através de programas de educação profissional. “Na África, estamos começando a introduzir a tecnologia na educação e no treinamento. Eu quero aprender o que funcionou e quais foram alguns dos principais fatores de sucesso ”, diz ela.

* Todas as entrevistas foram realizadas por email


VPET 18

A swissinfo.ch é a parceira de mídia do 3º Congresso Internacional de Educação Profissional e Treinamento (VPET 18), que acontece de 6 a 8 de junho de 2018.

Cerca de 425 pessoas de cerca de 80 países, representantes da indústria, política e educação devem participar. O congresso tem como objetivo “provocar discussões abertas e compartilhar práticas de sucesso”.

O lema é "Competências para Empregabilidade e Carreiras" - que incidirá sobre os desafios atuais enfrentados pela economia. Os tópicos incluem digitalização, aprendizagem ao longo da vida e desenvolvimento de currículos. Não faltam, claro, os aprendizes, que apresentarão aspectos de sua formação na Vila das Aptidões ('Skills Village').

Aqui termina o infobox


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.