Filmes super 8 de marujos suíços inspiram exposição multimídia


Imagem tirada de um dos filmes super 8 dos marinheiros do MS Basilea, filmada nos anos 1960. Além do trabalho diário a bordo do navio, os marinheiros puderam testemunhar alguns momentos históricos marcantes, como um desfile militar durante a Revolução Cultural da China ou uma visita do então imperador da Etiópia Haïlé Sélassié I a um navio de guerra russo no porto de Massawa, na atual Eritreia. Johann Jacobs Museum

A marinha mercante de uma nação sem litoral, como a Suíça, não parece fazer muito sentido, mas o país se orgulha de sua frota de alto mar. A descoberta de uma caixa de filmes amadores feitos por marinheiros suíços nos anos 60 acabou inspirando uma exposição em Zurique que explora algumas das questões contemporâneas mais urgentes relacionadas com o mar.

A vasta extensão do mar e sua promessa de liberdade foi o que Ernst Christinger procurou quando, mal atingida a idade legal, deixou a vila suíça de Azmoos, no final dos anos 50, para se tornar marinheiro. 

Durante os 15 anos seguintes, ele viajou pelo mundo a bordo do MS Basilea, um dos mais conhecidos navios comerciais de bandeira suíça.

Ernst e seus companheiros de tripulação documentaram sua vida no mar com câmeras super 8 que haviam comprado a baixo custo durante uma escala no porto de Hong Kong. Seu filho, Damian, encontrou esses filmes, juntamente com um tesouro de outros documentos, cartões postais e fotografias após a morte de Ernst.

O afeto sentimental era evidente para Damian Chistinger quando se pôs a examinar o material, lançando luz sobre a vida de Ernst antes dele ser pai.

Que a Suíça, encravada no meio da Europa, a centenas de quilômetros de distância da praia mais próxima, tenha uma marinha mercante poderia parecer paradoxal. Mas, o curador Damian viu também nesses filmes uma oportunidade de mergulhar mais fundo em uma parte não muito conhecida da história da Suíça.

Ele se juntou a Roger Buergel, diretor do Museu Johann Jacobs em Zurique, e à pesquisadora Bettina Schuler, e juntos expandiram o escopo do material para desenvolver o que se tornou a exposição "Um navio não virá" ("A ship will not come"). A colaboração evoluiu para uma reflexão sobre algumas das questões contemporâneas mais prementes da vida no mar.

O projeto caiu em muito boas mãos. Buergel, diretor do museu, reformulou o então Museu do Café em Zurique (como era conhecido o Museu Jacobs), transformando-o numa espécie de laboratório dedicado à exploração de rotas comerciais e questões globais através do entrelaçamento da arte, ciência e pesquisa social.

+ Leia mais sobre os peculiares experimentos do Museu Johann Jacobs de Zurique (em inglês)

Uma forma de escapar da sociedade suíça

A marinha mercante era uma romântica aspiração no imaginário de jovens inquietos como Ernst, explica Damian. Suas perspectivas de vida e carreira eram bastante limitadas pelos rigores sociais de seus vilarejos, assim que encontravam no mar um caminho alternativo e mais livre. 

Mas essa exposição não é uma mera retrospectiva histórica, e tampouco dá muita importância a narrativas oficiais. Ainda assim, os filmes originais, alçando o visitante a uma cuidadosa mostra de obras de arte e vídeos de artistas contemporâneos, como Adnan Softic e a dupla suíço-brasileira Dias & Riedweg, traz à tona a importância da Suíça como potência comercial ao longo dos últimos séculos. 

O comércio de escravos das Américas, por exemplo, era uma atividade com a qual empresas, financistas e comerciantes suíços se engajavam de todo o coração. Apesar da neutralidade política suíça, alguns de seus empreendedores lucraram imensamente com as oportunidades de negócios abertas pelas potências coloniais, acumulando capital que ainda mantém a pequena nação alpina como um dos principais atores da economia global. 

A arte do método

Damian Christinger disse que só se lembrava de ver o pai em lágrimas uma única vez: quando chegaram a uma praia na Grécia para férias. Depois de um longo tempo longe das águas, Ernst viu mais uma vez sua vasta extensão, e declarou seu "amor eterno" pelo mar. 

Mas Buergel, ex-diretor artístico da prestigiosa documenta XII de 2007 (mega-exposição que ocorre a cada 5 anos em Kassel, Alemanha), transformou os negativos desenterrados por Christinger não em uma exibição sentimental de tempos passados, mas as utiliza como trampolim para explorar questões mais amplas. 

Os curadores quiseram contrastar essa nostalgia romântica com a experiência de milhões de pessoas que não experimentam o mar como Ernst, sejam eles migrantes ou aqueles cuja vida depende do mar. 

A exposição volta seu olhar para os milhões de refugiados que enfrentam as águas em busca de um refúgio desconhecido, longe das matanças, pilhagens ou miséria; e para os trabalhadores de enormes estaleiros nas costas da Índia e Paquistão, onde desmontam grandes navios com as mãos para extrair sucata.

O título da exposição - "Um navio não virá" - inverte a ideia usual de um navio que se aproxima como o portador de salvação ou esperança; em vez disso, Buergel declara que a exposição é dedicada à "viagem marítima com um resultado incerto - o que não quer dizer que um resultado incerto tenha necessariamente de ser catastrófico". 

Para além da exposição

Paralelamente à exposição em si, o museu tem sido palco de uma série de conversas públicas que exploram a imaginação humana relacionada com o mar. 

Ele é um terreno fértil para a invenção de todo o tipo de monstros marinhos, símbolos e metáforas para o encanto e o medo que o alto mar inspira. Os desenhos de mapas, a arte da cartografia contam histórias da vida real embrenhadas nos diagramas e símbolos.

O fotógrafo e cineasta italiano Armin Linke, por exemplo, apresentou seus trabalhos de vários anos, onde reflete sobre o tédio e a impessoalidade de assuntos importantes e essenciais, como o desenvolvimento de um código jurídico internacional dos mares, onde advogados e legisladores enfrentam a questão de saber se o próprio mar - e qualquer outra entidade não-humana - merece representação legal. Ele também analisa as questões jurídicas, ecológicas e econômicas que envolvem a mineração em águas profundas.

Em muitas outras representações artísticas, uma das tônicas mais comuns é expressão da grande escala do mar face à invisibilidade humana e à voz sufocada de navegantes à deriva, expôs Hannah Baader, pesquisadora sênior do Kunsthistorisches Institut, em Florença, Itália, ao refletir como artistas contemporâneos exploram a situação dos migrantes contemporâneos.

Devido à crise do coronavírus, a exposição e as conversas públicas planejadas foram todas canceladas até novo aviso. Mas os organizadores disseram que o museu pode prolongar a exposição para além da data de encerramento prevista em Maio, e recomendam aos visitantes que consultem o site do Museu Johann Jacobs.



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo