Navigation

200 suíços estão presos no estrangeiro

A ex-ministra suíça da Justiça, Ruth Metzler, (de preto) visita uma prisão na Tailância, em julho de 2002. Keystone

Droga, assassinato, estupro, pedofilia ou delitos financeiros são as causas mais comuns de prisão de suíços no exterior.

Este conteúdo foi publicado em 29. dezembro 2003 - 12:14

Só em 2003, 162 suíços foram presos no estrangeiro, segundo dados oficiais do Ministério das Relações Exteriores.

Mesmo com a libertação recente de dois suíços condenados na Guatemala por tráfico de drogas, 200 cidadãos helvéticos ainda continuam presos no exterior.

A maioria está na Europa

Nicolas Hänggi e Silvio Giovanoli estiveram nas manchetes dos jornais quando foram presos, em agosto de 1997, e condenados a 12 anos de prisão na Guatemala, por tráfico de drogas. Ambos foram libertados recentemente, por boa conduta, após cumprirem metade da pena.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, 162 suíços foram presos no estrangeiro, em 2003. A maioria (77) está em prisões européis; 29 estão na América do Sul, 28 nos Estados Unidos, 27 na Ásia, 4 na África e os demais na Oceania, Caribe e Oriente Médio.

Outros casos também mereceram a atenção da mídia suíça como o de um cidadão detido na India, em 2000, por pedofilia ou o de outro preso na Costa Rica, acusado de tráfico de crianças.

Assistência consular

Na China, um suíço foi condenado à morte, em 1999, por estupro e assassinato. Posteriormente, a pena foi comutada em prisão perpétua.

A maioria dos casos, no entanto, é de condenação por porte ou tráfico de drogas, precisa o Ministério das Relações Exteriores, que fornece proteção consular a todo suíço detido no exterior.

Os presos são visitados regularmente e recebem atendimento material e assistência jurídica, quando necessário. Em casos de condenação a penas consideradas desproporcionais em relação do direito suíço para os mesmos delitos, pode haver intervenção "informal" da diplomacia junto às autoridades do país em questão.

Foi o caso, por exemplo, da Tailândia, em 2002, quando a então ministra da Justiça e Policia, Ruth Metzler, abordou a situação de vários suíços detidos no país.

Depois disso, a Suíça e a Tailândia assinaram um acordo que prevê a possibilidade de repatriar condenados suíços para cumprirem parte da pena nas prisões suíças.

swissinfo com agências

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?