Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

A outra face do euro

Símbolo da união política e econômica europeia, o euro tornou-se motivo de divisões nos últimos anos.

(Ex-press)

Introduzido em 1° de janeiro de 2002, a moeda única tornou-se em pouco tempo o símbolo mais evidente do grande mercado único e do processo de aproximação dos povos europeus.

Dez anos depois, o balanço é mais pessimista: o euro está no centro da pior crise europeia dos últimos 50 anos.

"O euro é o sucesso mais brilhante no processo de integração europeia", escrevia em 2007 com uma ponta de orgulho a Comissão Europeia. Hoje essa afirmação parece um pouco pretenciosa, pois que a União Europeia atravessa o que pode ser definida como a "crise do euro".

Porém, não se pode esquecer que, com a união monetária e a moeda única, a Europa em poucos anos deu um enorme passo à frente para esquecer os nacionalismos e as guerras do século passado e reunir os povos europeus em um grande projeto comum. Apesar da abertura das fronteiras e da livre circulação de pessoas, o euro foi o símbolo mais forte de uma nova era de cooperação econômica e social.

Os sucessos foram indiscutíveis. O euro deu peso econômico à Europa no cenário internacional, cada vez mais dominado por blocos. Hoje a moeda europeia é a segunda mais negociada nos mercados internacionais, com cerca de 40% das transações diárias. Um quarto das reservas monetárias são em euro.

  

São inegáveis as vantagens trazidas pela moeda única em uma zona de 330 milhões de habitantes: supressão do câmbio, agilização das trocas comerciais, transparência de preços, estabilidade monetária. Até a Suíça se aproveitou bastante do euro, pois suas exportações foram favorecidas enquanto o euro esteve bem mais forte do que o franco.

Ligação irreversível

Da mesma maneira que a face visível do euro era brilhante em época de crescimento econômico, sua face oculta aparece agora em tempos difíceis. A crise da dívida soberana tornou-se a crise do euro, com nuvens escuras no horizonte. As más línguas começam a questionar a união monetária.

"A união monetária é extremamente perigosa se não for construída de modo correto. Não é como a livre circulação de pessoas ou o acordo de livre comércio, para os quais é possível fazer correções", observa  

Tobias Straumann, professor de história econômica nas universidades de Basileia e Zurique.

"Com a união monetária são criados laços econômicos e institucionais muito fortes, quase irreversíveis. Basta cometer um ou dois erros e chegamos a uma situação catastrófica. É o que se vê agora: o projeto euro, que devia unir os povos, precipitou uma crise que está reativando os nacionalismos e as divisões."

Muita pressa

Mas que erros foram cometidos? Para Tobias Straumann, a união monetária foi pensada muito grande e muito rápida: "Provavelmente não era preciso renunciar à moeda única. Mas a união monetária deveria ter sido construída muito mais lentamente, começando pelos países economicamente mais fortes, com a perspectiva de uma ampliação sucessiva."

A introdução da moeda única não só não ajudou os países mais fracos, mas inclusive acentuou seus problemas. Eles se viram forçados a suportar gradualmente preços e salários mais altos. E, sobretudo, não puderam mais aproveitar do valor inferior de suas moedas para incrementar exportações. Com o euro isso não foi mais possível.  

"A criação de um espaço monetário tão grande pode funcionar enquanto os países mais fortes puderam ajudar os mais fracos. É o caso da Alemanha: com os custos da reunificação, os recursos destinados ao fundo europeu foram canalizados para a região oriental. Sem essa compensação, os países pobres se consideram perdedores", afirma o especialista.

Grande insegurança

Esses erros continuaram durante todos esses anos. Os países promotores da união europeia – Alemanha e França – não somente deixaram de controlar o respeito aos critérios de estabilidade fixados no Tratado de Maastricht (ver na coluna à direita), mas foram os primeiros a violar as regras. Por outro lado, os países mais fracos se aproveitaram das baixas taxas de juros do Banco Central Europeu para endividar-se, como a Grécia, ou para alimentar um frágil setor imobiliário, como a Espanha.

"Vários países viveram por muito tempo acima de seus meios e agora defrontam-se com dívidas impagáveis. A insegurança é muito grande, o que está provocando uma fuga massiva de capitais. Este fenômeno e consequente falta de liquidez são os problemas mais urgentes a resolver", destaca Jan-Egbert Sturm, diretor do KOF (centro de pesquisa conjuntural do Escola Politécnica Federal de Zurique).

Novas regras de estabilidade dos balanços e sacrifícios nos Estados endividados, bônus do tesouro europeu, compensação financeira dos países mais fortes, ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI): os debates e as possíveis soluções para sair da crise ocuparão os países europeus em 2012. "O que conta é transmitir confiança à população e ao mercado financeiro, mesmo se serão ainda necessários alguns anos para sair da crise."

Fim do euro?

Mas o que farão os países europeus para sair do túnel? Entre especialistas, dirigentes políticos e econômicos reina atualmente a incerteza e, hoje, se sucedem declarações que levam a pensar ao fim da atual zona euro.

"Os países em crise são obrigados a economizar, o que prejudica o crescimento e a perspectiva de pagar as dívidas. Por outro lado, os países mais fortes não querem o fim do euro, mas não fazem o necessário para salvá-lo. Se a situação continuar assim, estou pessimista", reforça Tobias Straumann.

Jan-Egbert Sturm é mas otimista: "Temos pela frente anos muito difíceis, mais creio que o euro se salvará. O capital político investido, duas décadas de união monetária é muita coisa para ser abandonado pelos dirigentes europeus."

União econômica e monetária

Com a assinatura do Tratato de Maastricht, os membros da UE concordaram em 1992 em criar a união econômica e monetária para reforçar o processo de integração europeia e estimular o crescimento econômico.

Entre seus objetivos estavam a coordenação da política econômica, a introdução da moeda única e a adoção de uma política monetária comum, conduzida pelo Banco Central Europeu.

 

O Tratado de Maastricht visava ainda uma estabilização das contas dos Estados, com limitação do déficit a 60% do Produto Interno Bruto (PIB) e um déficit anual de 3% do PIB.

Aqui termina o infobox

Criação do euro

O euro tornou-se em 1° de janeiro de 1999 a moeda única de 11 países da União Europeia: Alemanha, França, Itália, Áustria, Holanda, Bélgica, Espanha, Portugal, Finlândia, Irlanda e Luxemburgo.

Nos primeiros três anos de existência, o euro existiu apenas como meio de pagamento e não tinha valor contábil, ao invés das moedas nacionais que continuavam a existir.

Em 1° de janeiro de 2002, a nova moeda europeia começou a circular fisicamente em cédulas e moedas, substituindo definitivamente as moedas nacionais.

Hoje a zona do euro compreende 17 países da EU: a Grécia o adotou em 2001, a Eslovênia em 2007, Chipre e Malta em 2008, a Eslováquia em 2009 e a Estônia em 2011.

  

Dois países, Dinamarca e Grã-Bretanha, obtiveram uma derrogação permanente da união econômica e monetária e não adotaram o euro.

A Suécia e sete novos membros do leste europeu que entraram na UE (Polônia, República Checa, Hungria, Bulgária, Romênia, Letônia e Lituânia) poderão aderir posteriormente à zona do euro.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Claudinê Gonçalves, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.