Navigation

A primeira "fronteira artística" do mundo

As grades que separam Kreuzlingen e Konstanz vão se transformar em lembrança. Keystone

As barreiras com 280 metros de comprimento marcando a fronteira entre Constânça (Alemanha) e Kreuzlingen (Suíça) serão substituídas por vinte e duas esculturas. Elas representam as figuras do jogo de Tarô.

Este conteúdo foi publicado em 17. agosto 2006 - 18:42

A nova "fronteira artística" - uma novidade mundial realizada pelo escultor alemão Johannes Dörflinger - não significa, porém, o fim dos controles: uma câmara vigiará a fronteira.

Na quarta-feira (16 de agosto), os dois promotores da iniciativa, o prefeito de Constança Horst Frank e seu homólogo de Kreuzlingen Josef Bieri, serraram simbolicamente as grades que separam as duas cidades localizadas à borda do lago de Constança.

A população também havia sido convidada a assistir esse momento histórico. Até alguns espectadores trouxeram suas próprias serras, acreditando que poderiam cortar um pedaço da grade e levar para casa como lembrança.

Algumas críticas

Desde quinta-feira, essa zona fronteiriça denominada como "Pequena Veneza" estará completamente livre de grades. Esta será substituída lentamente por esculturas que medem até oito metros. Feitas de metal, elas representam as figuras do jogo de tarô.

A realização do projeto, com um custo de aproximadamente um milhão de francos, foi financiada pela Fundação Dörflinger. Quanto aos custos de manutenção, estes são responsabilidade das duas cidades fronteiriças.

Através de cartas de leitores publicadas nos jornais locais, alguns cidadãos exprimiram suas críticas. Na sua opinião, o tema escolhido não tem nada a ver com o lugar onde vivem. Porém, de fato, os parlamentares das duas cidades aprovaram com larga maioria o projeto.

Fronteira visível

A realização do projeto foi autorizada também pelas autoridades aduaneiras da Suíça e da Alemanha. Apenas sob uma condição: que a fronteira dos dois países continue bem visível.

Por essa razão, além das esculturas que serão dispostas ao longo da fronteira, esta será também demarcada por placas. Ao mesmo tempo câmaras de vigilância devem ser instaladas.

A partir de 2008, data fixada para a entrada da Suíça no chamado "Espaço Schengen", os controles sistemáticos serão suprimidos para as fronteiras entre a Suíça e seus vizinhos. Até então, os guardas fronteiriços continuam nos seus postos controlando quem entra e quem sai.

swissinfo com agências

Breves

- Em junho de 2005, os suíços aprovaram a adesão do país ao Espaço Schengen.

- O acordo, já aplicado em 13 dos 15 antigos membros da União Européia (Irlanda e Reino Unido não participam), Islândia e Noruega, permite a livre circulação de pessoas ao abolir os controles fronteiriços.

- Em contrapartida, os controles externos do espaço foram reforçados. Além disso, a cooperação entre as polícias também foi reforçada através da introdução de um sistema de procura eletrônica comum (SIS, na sigla em inglês).

- O acordo só entrará em vigor na Suíça a partir de 2008, assim que entrar em função um sistema de procura eletrônica mais moderno (SIS II).

End of insertion

Kreuzlingen e Constança

As cidades de Kreuzlingen e Constança mantém contatos estreitos há várias décadas. Alguns exemplos:

- Os transportes públicos de Constança também abrangem Kreuzlingen.

- O aprovisionamento de água e gás serve às duas cidades.

- Os bombeiros de Constança também podem atuar em Kreuzlingen.

- O esgoto de Kreuzlingen é flui pela canalização da cidade alemã.

- As duas cidades planejam atualmente a construção de um centro de congressos e um hotel ao longo da fronteira.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?