Navigation

Abrigos iraquianos têm tecnologia suíça

Abrigos têm lugar para 95% da população suíça (Divulgação). Suiza dispone de refugios para proteger al 95% de la población. (www.protpop.ch)

Várias empresas suíças participaram da construção de dezenas de abrigos anti-aéreos no Iraque, nos anos 80. Algumas fizeram apenas os projetos e outras participaram das construções.

Este conteúdo foi publicado em 27. março 2003 - 15:28

Tudo isso ocorreu nos anos 80 e era perfeitamente legal.

Ex-técnicos das empresas que trabalharam no Iraque afirmam que foram construídos abrigos nos palácios presidenciais, em hospitais militares e também para a população civil, estes com capacidade para 100 mil pessoas.

Projetos e construções

Empresas alemães, suecas, finlandesas, russas e yugoslavas também participaram de construção de abrigos no Iraque mas, na época, o governo iraquiano preferia os projetos suíços considerados os melhores do mundo.

Construidos no modelo suíço, esses abrigos resistem a armas nucleares, biológicas e químicas. A ressalva é que foram construídos há 20 anos, para as armas da época, e podem não resistir a munições mais modernas.

As empresas preferem manter a o caráter confidencial dos contratos atualmente mas algumas informações foram divulgadas pela imprensa suíça. A Zellweger Luwa, de Zurique, construiu vários abrigos no Iraque, inclusive num dos palácios presidenciais.

Seu secretário-geral Ulrich Haug afirma que os abrigos foram construidos para as armas da época e não sabe de serão vulneráveis agora.

Outra empresa que construiu no Iraque foi a Cepas Plan S.A, um escritório de engenharia de Zurique. Segundo o jornal NZZ, também de Zurique, essa companhia construiu principalmente um grande abrigo num dos palácios presidenciais de Bagda, em dois andares, acessível de automóvel conteria uma sala para mais de 300 pessoas.

Americanos têm mapas

O fundador de outra empresa, Cidec AG, Gothard Frick, revelou que fez a planta de abrigos para 9 hospitais militares e também abrigos para civis com capacidade para 100 mil pessoas.

Durante a guerra do Golfo, em 1991, os serviços secretos suíços teriam tentado obter os mapas dos abrigos iraquianos mas os serviços dos Estados Unidos os teriam obtido antes, segundo o jornal Le Temps, de Genebra.

A Suíça tem a tecnologia desse tipo de construção porque é o país que
tem a maior densidade de abrigos do mundo.

São mais de 270 mil em todo o país, garantindo a proteção de 95% da população, em caso de necessidade. Tem também 3.500 "construções protegidas", em que estão incluídos os postos de comando militar e político, serviços sanitários e hospitais.

A organização suíça

Toda essa infra-estrutura é mantida em perfeito estado e são feitos exercícios de emergência regularmente. Uma vez por ano, por ano, todas as sirenes de alarme do país são acionadas.

O Departamento de Proteção da População (SPP), ligado ao Ministério da Defesa, tem inclusive um manual com instruções técnicas para a construção de abrigos. "Com esse manual, qualquer engenheiro é capaz de construir abrigos", afirma Pascal Aebischer, do Departamento de Proteção Civil.

swissinfo, Alexander Thoele e Claudinê Gonçalves

Breves

- Empresas suíças construiram abrigos em palácios presidenciais, hospitais militares e também para a população civil no Iraque.

- Russos, Yugoslavos, Suecos, Alemães e Finlandeses também participaram da construção de abrigos no Iraque.

- Suíça tem tecnologia porque construiu e mantém cerca 2.700 abrigos no país, com capacidade para 95% da população.

-Tem também 3.500 "construções protegidas", para o comando militar e político, serviços sanitários e hospitais.

- Esse aspecto faz parte da doutrina da neutralidade armada da Suíça.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?