Navigation

Janela n° 7: cantão dos Grisões (Graubünden)

Keystone / Christian Beutler

"Allegra", caros leitores e leitoras. Hoje apresentamos a vocês um escritor oriundo das montanhas dos Grisões cujas obras começam a ser notadas para fora das fronteiras da Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 07. dezembro 2020 - 15:41

Arno Camenisch, aos 42 anos de idade, já publicou onze livros e pode assim olhar para trás em muitos sucessos literários. Além do Prêmio de Literatura Suíça, ele ganhou o Prêmio de Fomento Hölderlin e o Prêmio ZKB Schiller. Por seu último trabalho, "Goldene Jahre"Link externo (Anos de Ouro), ele foi indicado para o Prêmio Alemão do Livro 2020.  ist er für den Deutschen Buchpreis 2020 nominiert.

No vídeo abaixo, Camenich recita um trecho de seu mais recente livro e comenta sua obra (legendas em alemão).

Conteúdo externo

Camenisch não tem contraparte na Suíça. Não necessariamente por causa dos temas de suas obras, mas por causa de sua língua única, na qual o alemão, o alemão suíço, o italiano e o romanche se fundem para formar uma língua totalmente nova.

Seu melódico dialeto grisonês salta aos olhos. Sua voz é sonora, áspera, mas também encontra tons mais suaves e gentis, diz a crítica Anne-Sophie Scholl em seu perfil do escritorLink externo.

Em sua primeira obra, "Sez Ner" (2009), Camenisch conta em alemão e romanche a vida nos pastos alpinos em uma pequena seqüência de cenas curtas, narradas de forma rude, mas muito poética. No início do livro, ele conta como um fazendeiro alpino fica preso com seu parapente na copa de um abeto e como um criador de porcos despeja queijo em um monte de estrume.

Em seus livros posteriores ele fala de sua região natal, Surselva: "Hinter dem Bahnhof" (Atrás da Estação) conta de sua infância no vilarejo, e em "Ustrinkata" sobre a última noite na taberna local antes de seu fechamento.

Camenisch cursou a escola primária e secundária em Graubünden. Hoje ele vive em Biel. Seus textos foram traduzidos para mais de 20 idiomas, e viajou o mundo todo realizando leituras públicas. 


A arte em todos os seus estados

Este ano, a SWI swissinfo.ch decidiu dedicar seu Calendário de Advento ao mundo da cultura - e à cultura suíça em particular. Concertos cancelados, museus fechados, apresentações proibidas - a crise do coronavírus atingiu duramente os artistas em todos os campos.

A fim de apoiá-los à nossa maneira e permitir que você descubra seus mundos encantados e variados, lhes convidamos a abrir uma nova janela a cada dia, que revelará uma personalidade particular. Alguns são mais populares do que outros, mas todos têm em comum que são contemporâneos e reconhecidos internacionalmente em sua arte.

Siga-nos durante o mês de dezembro e conheça aqui uma rapper do Valais, um dançarino da Basileia, um escritor da Thurgau (Turgóvia), um trompetista de Friburgo...

E é bom lembrar: nossa seleção não tem a intenção de apresentar "o melhor" da arte suíça. Nós simplesmente desejamos oferecer a você uma paleta o mais rica possível. E esteja à vontade para nos apresentar ou recomendar novos artistas de sua preferência.  👇

End of insertion



Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.