Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Afeganistão espera ajuda a longo prazo

1,7 milhão de afegãos e voltaram ao país e lutam para sobreviver.

(Keystone)

Um ano depois do início da intervenção americana no Afeganistão que derrubou o regime taliban, o país continua em ruínas.

A cooperação suíça afirma que até agora o trabalho foi destinado à sobrevivência da população mas que está na hora de começar a reconstrução.

"Trabalhei em muitos países pobres mas nunca havia visto isso." A afirmação é de Markus Müller, responsável das operações no Afeganistão da Direção suíça de desenvolvimento e cooperação (DDC), que está no Afeganistão há dois meses.

"Tudo o que as organizações internacionais conseguiram fazer até agora é ajudar as pessoas a sobreviver. Na reconstrução, estamos na estaca zero", afirma Müller.

População frustrada

O cooperante suíço afirma, contudo, que a vida está sendo retomada em Cabul, após 23 anos de guerra. Ele se diz impressionado pela vontade, força e criatividade dos afegãos.

Passada a fase da ajuda de urgência, as organizações humanitárias vão começar a trabalhar na infra-estrutura do Afeganistão: estradas, escolas, hospitais, tudo deve ser reconstruido, a partir do ano que vem, "se a estabilidade política se mantém", segundo Makus Müller.

Enquanto isso, ele sente uma certa frustação na população afegã. Em Cabul, afirma o cooperante suíço, soldados armados em veículos novos é o único sinal visívelda de ajuda massiça da comunidade internacional.

O problema dos refugiados

Os problemas não estão só nas cidades. Desde a queda do regime taliban, 1,7 milhão de refugiados voltaram ao país vilarejos destruidos e as plantações que sofreram 3 a 4 anos de seca.

Muitos voltam para o Paquistão ou então tentam viver nas cidades maiores. Precisam, portanto, de ajuda urgente para passar o inverno até tentarem relançar a a agricultura na próxima primavera.

Questão de prioridade

O Afeganistão não é um país prioritário para a DDC. Na região, as prioridades são Paquistão, Índia, Bangladesh, Nepal e Butão.

Para este ano, o governo federal atribiu 21 milhões de francos suíços (€ 14 milhões). Em 2003 serão aplicados 18 milhões de francos.

"Este país é atualmente um dos que mais necessitam ajuda de urgência e tentaremos convencer as autoridades de Berna", afirma Müller.

80% da ajuda suíça é dividida entre grandes projetos como o Programa Alimentar Mundial, o Alto Comissariado para os Refugiados e a Cruz Vermelha Internacional.
Os 20% restantes vão para ONGs que trabalham nas áreas de saúde, educação e integração das mulheres à vida social e econômica.

swissinfo/Marc-André Miserez

Breves

- Até agora, urgência é evitar a fome
- Reconstrução de infra-estrutura deve começar no ano que vem
- Suíça aplica Fr. 21 milhões este ano e 18 milhões em 2003
- 80% das verbas são repassadas a grandes projetos internacionais
- 20% vão para ONGs que atuam no Afeganistão

Aqui termina o infobox


Links

×