AFP

Membros exclusivos do Jockey Club aguardam no Salão das Rosas para o Grande Prêmio Brasil, no Rio de Janeiro, em 11 de junho de 2017

(afp_tickers)

Da exclusiva sala VIP do Jockey Club do Rio de Janeiro, com vista para o hipódromo e o Cristo Redentor, a crise parece remota. Mas até a alta sociedade sofre seus efeitos à sua maneira.

"Costumávamos tomar champanhe. Agora bebemos cerveja", lamenta Teresa Aczel Quattrone, uma senhora carioca de 70 anos, vestindo chapéu de abas largas e enorme gargantilha de pérolas, durante o Grande Prêmio Brasil, neste domingo, o maior evento do turfe no Brasil.

À primeira vista, o cenário deste Salão das Rosas lembra mais os anos 1920, quando o Jockey Club foi construído, do que ao cada vez mais caótico Brasil de 2017.

Sob a luz de um candelabro, a nata da sociedade se delicia com canapés e bebidas alcoólicas, servidos em bandejas de prata. E embora não haja mais garrafas de champanhe francês gelando, a cerveja nacional é servida gelada e em taças de cristal.

Nada aqui lembra que o país está nas vacas magras, com um desemprego que beira os 14%, nem que o presidente Michel Temer está na corda bamba, com o mandato ameaçado por denúncias de corrupção.

O código de vestimenta, de fato, não tem nada de austero: aqui se valorizam os chapéus, os vestidos decotados e a cirurgia plástica.

Para adicionar glamour, no meio da tarde, sete modelos entram na sala para realçar o ambiente com vestidos "vintage" vaporosos e penteados elaborados.

Mas o toque final neste quadro do passado fica por conta dos prestadores de serviço, quase todo composto por negros, que servem clientes majoritariamente brancos de uniforme tradicional com avental dos criados.

Escapismo

O contraste entre o luxo e a massa de brasileiros que lutam para sobreviver à recessão histórica que dura dois anos não escapa a todos os sócios deste seleto clube.

"Apesar deste glamour que se vê, a cidade tem os piores números de desemprego de todo o Brasil. Isto não reflete o Rio de Janeiro", admite Flavio Duarte, especialista em tecnologia de 49 anos, que foi à festa com a esposa e a filha pequena de dez anos.

Para Duarte, a festa anual do Grande Prêmio Brasil sobrevive porque o evento e a magnífica corrida de cavalos lembra aos moradores do Rio a melhor face da cidade.

"As pessoas vêm porque é uma tradição que não se quer perder, como já aconteceu com tantas outras", avalia.

Cedric Sá, um engenheiro aposentado de 70 anos, descreve a extravagância do Salão das Rosas como "uma espécie de carnaval dos ricos".

"É bom para esquecer de todas as coisas ruins que estão acontecendo, pelo menos por um dia", concorda sua mulher, Vera Sá.

Curiosamente, este casal de aposentados não demonstra nenhuma simpatia por Temer, embora o presidente seja visto por muitos ali como a última figura do "establishment".

"Se ele caísse, a festa aqui seria ainda maior", ri Cedric Sá.

Uma aposta perigosa

O Grande Prêmio Brasil, um circuito de 2.400 metros sob os braços abertos do Cristo Redentor, é uma das cinco corridas latino-americanas que pontuam para a respeitada Copa Breeders, o clássico campeonato internacional que este ano é celebrado em novembro na Califórnia.

John Fulton, representante para a América do Sul da Copa Breeders, assegura que o Rio tem "um dos hipódromos mais bonitos do mundo".

Mas o país não cumpre com seu potencial neste esporte e produz apenas 2.000 cavalos de corrida puro sangue por ano, muito abaixo dos 3.000 que tinha antes da recessão. Na Argentina são produzidos 8.000 potros por ano, diz Fulton a título de comparação.

Alheias a isto, centenas de pessoas lotaram as grades e as zonas contíguas ao gramado antes da grande corrida do ano.

Para surpresa de todos, o ganhador foi o azarão Voador Magee. Uma decepção para aqueles que tinham apostado em favoritos, como No Regrets, e uma demonstração de que atualmente não há aposta segura no Brasil.

AFP

 AFP