Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(4 jun) Pacotes de macarrão Maggi são queimados durante uma manifestação em Calcutá

(afp_tickers)

A Índia determinou nesta sexta-feira que a Nestlé interrompa a produção e venda do macarrão instantâneo Maggi no país, depois que exames detectaram altos níveis de chumbo.

A Autoridade de Segurança e Padrões Alimentares (FSSAI) ordenou à filial da Nestlé na Índia que retire do mercado "nove variedades de macarrão instantâneo Maggi e que interrompa a produção".

A agência indiana afirma que a empresa suíça infringiu as normas em três pontos: concentrações de chumbo que superam o limite estabelecido, rótulos enganosos sobre a presença de glutamato monossódico, um polêmico aditivo alimentar, e a venda de una variedade de sopa sem autorização.

A Nestlé já havia anunciado a retirada dos produtos, mas o diretor geral da empresa, Paul Bulckle, afirmou que os macarrões eram "aptos para o consumo", em uma entrevista coletiva em Nova Délhi.

"Retiramos do mercado por causa da confusão, já que a confiança do consumidor foi afetada", disse.

Bulckle declarou que não questiona os testes indianos, mas que considera necessário esclarecer a metodologia utilizada pelos diferentes laboratórios.

Seis estados indianos haviam anunciado a proibição temporária da venda de macarrão Maggi depois da detecção de altas concentrações de chumbo no produto.

A polêmica cresceu nos últimos dias e na quinta-feira um grupo de ativistas queimou pacotes de sopa em um protesto em Calcutá.

A marca Maggi está presente há três décadas na Índia e domina 80% do mercado de macarrão instantâneo.

O produto, que é vendido como um alimento saudável de preparo rápido, é muito popular no país asiático, onde cada vez mais pessoas abandonam a residência familiar para estudar ou procurar trabalho.

A Maggi se tornou uma das cinco marcas de maior confiança dos indianos, segundo uma pesquisa divulgada no ano passado.

A notícia da proibição da venda era uma das mais compartilhadas nas redes sociais nesta sexta-feira no país.

"Um conluio de multinacionais sem escrúpulos, agências de publicidade e agências reguladoras da alimentação levaram à venda a cada dia aos indianos de qualquer coisa como se fosse um néctar emocional", escreveu o escritor Chetan Bhagat no Twitter.

Algumas pessoas lamentaram não saber cozinhar outra coisa, apenas o macarrão instantâneo.

Para a Nestlé, a crise começou com a decisão do estado de Uttar Pradesh (norte) de processar a filial indiana em 30 de maio, após a descoberta de altos níveis de chumbo nos produtos e de glutamato monossódico.

O Future Group, maior grupo de supermercados da Índia, retirou imediatamente os pacotes da marca Maggi de suas 500 lojas, "por motivos de precaução".

A empresa suíça afirmou que não usa glutamato monossódico em seus produtos na Índia, mas que este pode ser encontrado de forma natural em alguns de seus ingredientes.

AFP