Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivos) O ex-presidente Lula e a ex-primeira dama Marisa Letícia em São Paulo, no dia 1º de maio de 2010

(afp_tickers)

O corpo de Marisa Letícia Rocco, esposa do ex-presidente Lula, será submetido nesta sexta-feira aos últimos protocolos de confirmação de sua morte cerebral, antes que seja autorizada a doação de órgãos, informou o hospital de São Paulo onde está internada.

"Ela teve a morte cerebral e agora vão fazer dois exames hoje para confirmar isso porque tem que seguir o protocolo internacional", indicou à AFP um porta-voz do Hospital Sírio Libanês.

"Seu estado é irreversível, sim", acrescentou.

A ex-primeira-dama, de 66 anos, havia sido internada no dia 24 de janeiro, depois de sofrer um acidente vascular cerebral hemorrágico. Na quinta-feira, a instituição revelou que foi diagnosticada "ausência de fluxo cerebral" e que a família havia autorizado o início dos "procedimentos para a doação de órgãos".

Na Câmara de Deputados, em Brasília, os legisladores fizeram imediatamente um minuto de silêncio, e as mensagens de pêsames e solidariedade ao ex-presidente Lula (2003-2010) começaram a chegar de dentro e fora do Brasil.

O próprio Lula indicou em sua conta no Facebook que "os procedimentos de doação de órgãos só podem ocorrer após a conclusão do protocolo", que ocorrerá durante o dia.

Na noite de quinta-feira, o presidente Michel Temer se dirigiu ao hospital. Lula também recebeu a visita de Fernando Henrique Cardoso, antecessor de Lula no cargo e seu rival político durante anos, em quem deu um emocionado abraço.

Em viagem à Europa, Dilma Rousseff adiantou seu retorno e chegou ao hospital na manhã desta sexta-feira. Sucessora e afilhada política de Lula, a ex-presidente havia sido uma das primeiras a apresentar suas condolências na quinta-feira através do Facebook, onde definiu Marisa Letícia como uma "batalhadora, que conquistou espaço e teve importante papel político".

Dilma, destituída em 2016 por um impeachment, também se referiu ao último ano de turbulências e sobressaltos judiciais para o ícone da esquerda, que enfrenta cinco acusações ligadas ao esquema de corrupção na Petrobras, algumas das quais envolvem sua esposa.

Está previsto que o velório de Marisa Letícia seja realizado na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, a cidade do cinturão operário de São Paulo onde nasceu, conheceu Lula e viveu durante grande parte da vida.

AFP