Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2012) Anel de fogo formado por um eclipse solar visto dos Estados Unidos

(afp_tickers)

Um eclipse solar anular formou neste domingo um "anel de fogo" em volta da Lua e emocionou observadores, gerando aplausos entre rituais místicos no sul da Argentina, onde - como no Chile - o fenômeno foi visto com plenitude, antes de ser apreciado na África.

Durante 44 segundos, às 10H44 locais (10H44 em Brasília), centenas de curiosos e turistas se emocionaram ao ver um anel vermelho muito nítido que rodeou a Lua.

A visibilidade do fenômeno esteve ameaçada minutos antes pelas nuvens na província patagônica de Chubut, mais de 1.900 km ao sul de Buenos Aires.

Com lentes especiais ou simples acessórios artesanais criados com papel e cartão, os amadores esperaram desde cedo o espetáculo, que alguns experimentaram ouvindo música eletrônica e outros com os sons intensos das tigelas tibetanas de meditação.

A Lua se interpôs entre o Sol e a Terra dando lugar ao primeiro eclipse de 2017, e provocando momentos de escuridão em plena manhã no sul da Argentina e Chile, antes de que pudesse ser apreciado no centro da África.

Com ventos de até 60 km por hora, o fenômeno começou depois das 09H23 locais (09H23 de Brasília), principalmente em Chubut, onde se observou uma clara descida da maré, como se fosse noite.

Em Sarmiento, uma cidade petroleira da Patagônia com cerca de 11.000 habitantes, centenas de amadores observaram o ocultamento do Sol com 97% de plenitude, segundo especialistas.

- Caçadores de astros -

Alemães, espanhóis e uma grande maioria de argentinos viajaram a esta terra remota, árida e fria.

A previsão era de que o fenômeno seria visto em uma faixa de 100 km que incluía Chile, Argentina, Angola, Zâmbia e República Democrática do Congo.

Às 15h15 GMT, o fenômeno começou a ser observado na África, primeiramente em Angola e, depois, em Zâmbia e República Democrática do Congo.

Em Luanda, capital de Angola, o eclipse foi observado por um público reduzido, mas fascinado.

"É um fenômeno que acontece poucas vezes, por isso viemos em família", disse Timoteo Mputu.

"É a primeira vez que asssisto a este fenômeno. Estou muito feliz, mas não consigo ver muito bem, porque meus olhos doem", comentou Providencia Luzolo.

- GPS do 'anel de fogo' -

O eclipse começou em pleno coração do Oceano Pacífico ao nascer do Sol, e alcançou o continente sul-americano pela cidade chilena de Coyhaique.

Depois de atravessar a Argentina e antes da África, o eclipse foi visível no Atlântico Sul, para "navios que estivessem no local e no momento adequados", disse à AFP Terry Moseley, da Associação Astronômica Irlandesa (IAA).

O eclipse solar anular acontece quando a Terra, a Lua e o Sol se alinham. Ele dura cerca de duas horas, mas, o alinhamento total, menos de um minuto.

Mesmo quando estão perfeitamente alinhados, a Lua está tão longe da Terra que não consegue encobrir totalmente o Sol, o que cria a impressão de um anel de fogo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP