Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As novas notas de bolívares emitidas pelo Banco Central da Venezuela exibidas em 7 de dezembro de 2016 em Caracas

(afp_tickers)

O "dólar negro" na Venezuela superou, nesta quinta-feira, os 20 mil bolívares por unidade, o que representa uma desvalorização de 95% da moeda em um ano.

A divisa americana estava cotada a 20.192,95 bolívares no site DolarToday, principal referência do mercado paralelo, ante os 1.024,93 de 7 de setembro de 2016.

A depreciação do bolívar se acelerou no começo de maio, em meio a protestos opositores contra o presidente Nicolás Maduro, que deixaram cerca de 125 mortos entre abril e julho passado.

Após superar a barreira dos 10 mil bolívares no fim de julho, o dólar paralelo começou uma disparada veloz, e especialistas não conseguem estipular onde ele vai parar.

A alta da cotação é constante, apesar de o governo - que monopoliza, desde 2003, o acesso a divisas com controle férreo do câmbio - ter lançado em junho um novo sistema de aplicação, com a promessa de derrotar o que ele chama de "dólar criminal".

Analistas atribuem a alta do "dólar negro" a uma oferta insuficiente por parte do Banco Central, devido a receitas menores com a venda do petróleo, responsável por 96% das divisas da Venezuela.

O governo, contudo, atribui a elevação a uma "guerra econômica" da oposição e de empresários apoiados pelos Estados Unidos para tirá-lo do poder.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP