Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O secretário de Estado americano, Rex Tillerson

(afp_tickers)

Crimes de "genocídio" cometidos pelo grupo Estado Islâmico (EI) contra minorias yazidis, cristãs e xiitas continuam sendo a principal preocupação dos Estados Unidos em seu relatório anual sobre a liberdade religiosa no mundo, publicado nesta terça-feira (15).

O informe destaca ainda as discriminações contra os muçulmanos e o antissemitismo na Europa, especialmente na Hungria, onde Washington mostra sua "preocupação" com a "retórica antimuçulmana" do primeiro-ministro Viktor Orban. Também menciona Alemanha e França nesse tema.

O informe 2016 é o primeiro publicado durante a Presidência de Donald Trump, que já foi criticado por suas mensagens hostis aos muçulmanos durante a campanha eleitoral. Em sua análise, o documento inclui 200 países, mas não os EUA.

Apresentado pelo secretário de Estado, Rex Tillerson, o conteúdo não apresenta grandes mudanças em relação à edição anterior.

Os países apontados por Washington como os mais preocupantes em termos de liberdade religiosa continuam sendo a Arábia Saudita - aliado-chave dos Estados Unidos no Oriente Médio -, Irã, China, Eritreia, Sudão, Birmânia, Coreia do Norte, Turcomenistão e Uzbequistão. O Tadjiquistão foi incluído este ano.

Do mesmo modo que no relatório anterior, o Departamento de Estado decidiu destacar as "atrocidades" cometidas pelos extremistas do EI no Iraque e na Síria.

"O EI sujeitou - e continua a fazê-lo - membros de muitas religiões e etnias a estupros, escravidão, sequestros e morte", denuncia Tillerson no prefácio do texto.

Segundo ele, "o EI é claramente responsável pelo genocídio de yazidis, cristãos e xiitas nas zonas que controla".

"A proteção desses grupos - e de outros que também são alvo do extremismo violento - é uma prioridade para a administração de Trump em matéria de direitos humanos", garantiu.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP