Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Karl Lagerfeld, em Paris, no dia 4 de julho de 2017

(afp_tickers)

O desfile desta terça-feira da Chanel consagrou a história de amor entre Karl Lagerfeld e Paris. O estilista fez desfilar seus modelos aos pés de uma réplica da Torre Eiffel e a capital o homenageou com a maior das honrarias.

Lagerfeld, cujos espetaculares desfiles dão tanto o que falar quanto suas coleções, constriu uma Torre Eiffel de 38 metros de altuta, em aço e madeira, sob o majestoso teto de vidro do Museu do Grand Palais. Em seu último desfile, em março, o grande protagonista foi um foguete espacial da mesma altura.

Seu desfile parisiense, um dos mais importantes do calendário anual da moda, teve na plateia estrelas como Julianne Moore, Sofia Coppola, Tilda Swinton, Katy Perry, Pharrell Williams e Cara Delevingne.

O "Kaiser" da moda apresentou uma coleção para o outono-inverno de tons acinzentados, sóbria, com casacos de tweed acinturados que tornam a silhueta arredondada em looks completos com botas de cano alto ou botinhas pretas e chapéu.

A textura do tweed é interrompida em alguns looks por grandes flores bordadas aqui e ali. Vestidos prateados lembram cotas de malha. As plumas enfeitam as jaquetas, aumentando os ombros.

No final de desfile, Lagerfeld acenou como de costume para a plateia com seu look tradicional preto e branco, com os cabelos brancos presos em um rabo de cavalo e seus eternos óculos de sol.

Mas dessa vez o estilista de origem alemã não foi somente aplaudido pelo público. A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, o condecorou com a medalha Grand Vermeil, a mais alta distinção da capital francesa.

- Lagerfeld: "universal" -

"Você é universal. Seu talento é reconhecido em escala planetária. É uma pessoa que faz de Paris uma cidade ainda mais mágica", disse a prefeita, também vestida em preto e branco.

"Você é Paris, obrigada Karl", concluiu.

Lagerfeld, octagenário, chegou a Paris na adolescência e desde 1983 é o diretor artístico da Chanel, marca que reiventou com o tempo.

"Eu sou um estrangeiro e quero continuar sendo, porque os estrangeiros têm outra visão de Paris e da França", disse Lagerfeld.

"Com as últimas mudanças, temos a impressão de que amanhece um novo dia na França", disse em alusão à recente eleição do presidente Emmanuel Macron, que desenhou como um faraó francês no dia seguinte da vitória eleitoral.

"Todo mundo está apaixonado de novo por Paris, pela França, querem estar aqui, que o francês se transforme de novo na língua da moda", acrescentou o estilsita, que há um ano tinha lamentado o estado "sombrio" da capital francesa.

Além do trabalho, ao qual se dedica intensamente há mais de 60 anos, Lagerfeld é um apaixonado pela fotografia, arte e leitura (possui entre 250.000 e 350.000 livros).

Amigo do jetset mundial, tem como companheira íntima sua gata, Choupette, de raça Sagrado da Birmânia e mais de 51.000 seguidores no Twitter.

O desfile da Chanel faz parte da Semana de Alta-Costura de Paris, que termina nesta quarta-feira com o desfile da Fendi, da qual Lagerfeld também é diretor artístico.

AFP