Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente regional catalão, Carles Puigdemontm, fala no comício de encerramento em Barcelona, em 29 de setembro de 2017, antes do referendo de domingo

(afp_tickers)

O presidente catalão, o separatista Carles Puigdemont, garantiu neste sábado (30) à AFP que ele e seus simpatizantes não vão abrir mão de seus direitos e vão participar, neste domingo, do referendo sobre a independência da região, apesar da oposição do governo espanhol.

"O que não vai acontecer é nós irmos para casa e renunciarmos aos nossos direitos (...) O governo fez tudo que pôde para que possa acontecer em total normalidade", afirmou Puigdemont, a 24 horas do referendo de autodeterminação proibido pela Justiça, pedindo aos catalães que evitem qualquer ato de violência.

Ele também pediu uma mediação para solucionar o conflito que opõe a região separatista e Madri.

"Devemos expressar uma vontade clara de que haja uma mediação em qualquer um dos cenários", declarou Puigdemont, na cidade de Girona, de onde foi prefeito entre 2011 e 2016, quando chegou à presidência da região.

"Qualquer que seja o cenário, quer vença o 'sim', ou o 'não', deve haver uma mediação, porque as coisas não estão funcionando, sejamos sinceros", disse à AFP.

Desde 2012, os dirigentes catalães pedem um referendo sobre a independência desta região. Os cidadãos estão divididos sobre a separação, mas apoiam amplamente uma votação acordada com Madri.

O governo central de Mariano Rajoy se recusa a negociar o tema, argumentando que a Constituição do país não permite esta votação, suspensa pelo Tribunal Constitucional.

Apesar de Puigdemont não ter-se dirigido a qualquer instituição em particular, ele garantiu que seria lógica "uma atitude ativa de acompanhamento e de interesse por parte da União Europeia", criticada pelo catalão.

"Entendo que tenha compromissos com o Estado espanhol, porque sempre foi assim (...) Mas pare de olhar para o outro lado", lamentou.

"Não é eficiente, nem razoável, nem sensato, que o presidente da Comissão Europeia (Jean-Claude Juncker) não tenha encontrado tempo em sua agenda para perguntar o que está acontecendo nesta parte - acredito que importante - da União Europeia", criticou.

A menos de 24 horas do referendo - que foi a gota d'água na relação já conturbada entre seu Executivo e o central de Mariano Rajoy -, Puigdemont se mostrou aberto a desconvocar o referendo, se o governo aceitar negociar uma votação acordada.

Ele reforçou, porém, que o governo catalão fará todos os esforços para que o pleito aconteça.

A Justiça espanhola está se esforçando para desmantelar a logística do plebiscito. Neste sábado, a Polícia isolou mais da metade dos 2.300 postos de votação na Catalunha, segundo o representante do governo da Espanha nessa região, Enric Millo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP