Navigation

'Nos vemos em Caracas muito em breve', diz Guaidó aos venezuelanos

O líder opositor e auto-proclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, é saudado pelo povo depois de se reunir com membros do Grupo de Loma, em Bogotá, em 25 de fevereiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. fevereiro 2019 - 03:54
(AFP)

O líder opositor Juan Guaidó, reconhecido por 50 países como presidente interino da Venezuela, prometeu nesta terça-feira (26) que "em breve" voltará a Caracas, após ter viajado à Colômbia há cinco dias desafiando uma proibição judicial que o impedia de deixar o país.

"Não assumi este compromisso para exercê-lo em um lugar que não seja a Venezuela, sendo assim nos vemos em Caracas muito em breve", disse o líder opositor de 35 anos, em vídeo que dirigiu aos venezuelanos, divulgado em sua conta no Twitter.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse à emissora ABC News que Guaidó terá que enfrentar a Justiça, pois tinha proibido deixar o país e deveria respeitar a lei.

Em uma entrevista difundida nesta terça-feira pelo canal NTN24, Guaidó disse que sua "função" e seu "dever é estar em Caracas apesar dos riscos".

"Um preso não serve a ninguém, um presidente exilado tampouco", assegurou.

Os governos dos Estados Unidos e da Colômbia disseram-se seriamente preocupados por sua segurança quando voltar à Venezuela.

Guaidó chegou à Colômbia na sexta-feira passada para coordenar a entrega de ajuda humanitária pela cidade fronteiriça colombiana de Cúcuta, mas os militares venezuelanos a bloquearam em meio a distúrbios que deixaram quatro mortos e dezenas de feridos.

Na segunda-feira, participou em Bogotá na reunião do Grupo de Lima, que se comprometeu em apertar o cerco a Maduro, embora tenha descartado o uso da força. O vice-presidente americano, Mike Pence, que esteve no encontro, reiterou que para Washington "todas as opções estão sobre a mesa".

"À reunião do Grupo de Lima seguiram-se outras reuniões que devem nos encher de ânimo e que fazem parte da estratégia que seguiremos nos próximos dias" para alcançar um governo de transição e eleições "livres", disse Guaidó no vídeo.

"Somos reconhecidos pelas principais democracias do mundo, enquanto o usurpador não é mais que um homem cada vez mais sozinho e desesperado", assegurou, referindo-se a Maduro.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.