Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem de Joaquín "El Chapo" Guzmán na prisão de Almoloya de Juárez, em 8 de janeiro

(afp_tickers)

Autoridades americanas desmantelaram uma ampla rede internacional de lavagem de dinheiro ligada ao cartel mexicano de Joaquín "El Chapo" Guzmán, que enviava milhões de dólares para a Colômbia por meio de negócios em Miami.

Em entrevista coletiva em Miami, as autoridades relataram que 22 pessoas - nos Estados Unidos, na Colômbia e em outros países - foram denunciadas por sua relação com esta rede, suspeita de lavar dinheiro proveniente da venda de cocaína.

Dos suspeitos, cinco foram detidos, três deles em Miami - entre quarta e quinta-feiras -, um em Boston, e outro em Cali, na Colômbia, informou a procuradora estadual do condado de Miami-Dade, Katherine Fernández Rundle.

Os restantes continuam sendo procurados pelas autoridades.

"Essas transações foram feitas pelo cartel de Sinaloa e os sucessores do (extinto) cartel de Cali", disse Fernández Rundle.

Durante dois anos, na chamada "Operação Neymar", assim batizada porque os suspeitos usaram como apelido o nome do craque da seleção verde-e-amarela e de outros jogadores, funcionários da Agência americana de Investigações de Segurança Interna (HSI), policiais e procuradores de Miami colaboraram colegas na Colômbia e outros países para desmantelar esta rede.

O esquema era amplo. Suas operações alcançavam 17 países, passando pela América Latina (como Colômbia, México, Guatemala e Venezuela), pela América do Norte (Estados Unidos e Canadá), pela Europa (Espanha, Holanda e Grã-Bretanha), pela Ásia (China) e pela Austrália.

O dinheiro da droga que era "lavado" tinha sua origem em 14 estados americanos, disse a procuradora.

AFP