Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O chefe supremo das Farc, Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko, no dia 26 de junho de 2017, em Buena Vista, Colômbia

(afp_tickers)

Um ano depois de ter assinado o acordo de paz, o partido de esquerda Farc tentará chegar ao poder na Colômbia com candidato presidencial próprio: Timochenko, o líder da guerrilha que já foi a mais poderosa do continente.

Surgida do acordo que pôs fim a um conflito armado de mais de meio século, a Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc) fez uma ousada aposta política: disputar as eleições presidenciais de maio de 2018 quando o caminho ainda estiver livre para a participação política do movimento guerrilheiro extinto.

"Pelos camponeses sem terra, pelos jovens sem oportunidades, pelas mulheres sem participação, é que lançamos nossa candidatura", escreveu no Twitter Rodrigo Londoño (Timochenko), presidente da Farc.

Timochenko lutará pela presidência de um país historicamente governado pela direita, enquanto Márquez, Pablo Catatumbo, Carlos Lozada, Jesús Santrich, Victoria Sandino, ex-delegados de paz, entre outros, liderarão as listas para o Senado e para a Câmara de Representantes nas eleições de março.

"Entramos de cabeça na contenda política de 2018", afirmou Márquez, ex-chefe negociador de paz, em uma coletiva de imprensa em Bogotá.

Com 58 anos, Londoño foi o último comandante da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias de Colômbia, antes de que esse grupo depusesse os fuzis e virasse um partido neste ano, após assinar o histórico acordo com o presidente Juan Manuel Santos em novembro de 2016.

- Problemas de saúde -

Timochenko, que havia descartado a candidatura à presidência, sofreu em julho um acidente cerebral transitório que afetou sua fala e o obrigou a viajar para Cuba, sede do processo de paz e onde se recupera.

Nesta quarta-feira não esteve presente no ato em que foi lançada sua candidatura "por motivos de saúde", disse à AFP o dirigente rebelde Marco Calarcá, mas mesmo assim poderá participar na disputa eleitoral.

Imelda Daza, militante da União Patriótica, um partido de esquerda surgido de um diálogo de paz nos 1980 e exterminado por forças de ultradireita em aliança com agentes estatais será a vice-presidente.

A Farc sabe que com Timochenko "não vão ganhar, mas que podem fortalecer o movimento político. A paz significa isso, ir das balas aos votos", declarou Víctor de Currea Lugo, acadêmico especialista do conflito colombiano da Universidade Nacional.

Para o analista, a candidatura de Londoño é "uma estratégia de posicionamento" para "medir-se eleitoralmente". "A Farc vai saber que tipo de representatividade tem", acrescentou.

Os rebeldes não fecharam as portas a alianças eleitorais com outras coletividades que apoiem a implementação do acordo de paz e com os quais compartilhem "propósitos programáticos".

- Panorama incerto -

Com uma imagem negativa na maioria das pesquisas, a Farc fez sua aposta eleitoral sem que o Congresso tenha aprovado a lei que sustenta o sistema especial de justiça ao qual deverão se submeter os rebeldes envolvidos em crimes graves durante o conflito, incluídos Londoño e Márquez.

O acordo de paz estabelece que os rebeldes e os militares poderão receber penas alternativas à prisão caso confessem seus crimes, reparem as vítimas e se comprometam a nunca mais exercer a violência.

No entanto, o Congresso, onde o governo tem uma maioria fraca, ainda não esclareceu se Timochenko e os demais candidatos poderão exercer cargos sem que sejam julgados pela Jurisdição Especial para a Paz (JEP) ou se eles ficariam desabilitados caso sejam declarados culpados depois da eleição.

O acordo de paz garante à Farc pelo menos dez assentos no Legislativo de 268 membros por oito anos, mas mesmo assim eles devem se candidatar.

O comissário de paz, Rodrigo Rivera, antecipou nesta quarta-feira que, se os eleitos forem sancionados pela JEP, eles não poderão exercer os mandatos e "teriam que ser substituídos por quem os suceder nas listas".

Para a Farc, contudo, o acordo de paz não prevê barreiras para seu desempenho político.

"Exigimos ao Congresso e a toda a institucionalidade do Estado que aguarde estritamente o determinado pela Corte Constitucional e não variar mais, nem uma vírgula, o acordo", afirmou Márquez.

Enquanto resolvem as dúvidas, a organização de esquerda incorporou as bandeiras contra a corrupção e a "erradicação definitiva da fome e da pobreza" na Colômbia.

As FARC também defendem uma "reorientação do modelo econômico" de livre mercado na Colômbia, embora tenha evitado se alinhar com o projeto chavista ou cubano.

Os colombianos renovarão o Congresso e elegerão o presidente para quatro anos em uma campanha que se antecipa muito polarizada entre os defensores do acordo de paz com a guerrilha e aqueles que se opõem às supostas concessões às Farc.

"Vamos enfrentar a candidatura presidencial espúria do delinquente, as candidaturas ao Congresso de delinquentes de lesa humanidade não julgados, não investigados", disse o senador e ex-presidente Álvaro Urive, líder da oposição.

Santos, que também tenta chegar a um acordo com o grupo guevarista do ELN para selar um conflito que deixa mais de sete milhões de vítimas entre mortos, desaparecidos e deslocados, está desabilitado por lei para tentar um novo mandato.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP