AFP

O presidente americano, Donald Trump, evitou responder diretamente às acusações feitas pelo ex-diretor do FBI

(afp_tickers)

O presidente americano, Donald Trump, evitou responder diretamente às acusações feitas pelo ex-diretor do FBI, Michael Comey - que depôs nesta quinta-feira à Comissão de Inteligência do Senado -, mas buscou unir seus seguidores com uma mensagem desafiadora.

"Vamos lutar e vencer", disse Trump, dirigindo-se a seus simpatizantes em um encontro com governadores e prefeitos.

Sem fazer alusão explícita ao depoimento de James Comey, o presidente prometeu combater seus inimigos e repudiar as tentativas de derrubá-lo.

"Eles não vão nos desviar desta causa justa para tentar deter todos vocês", disse Trump em um evento da Coalizão Fé e Liberdade na capital americana.

"Sabemos lutar melhor do que ninguém e nunca, nunca vamos desistir. Não desistimos, somos vencedores e vamos lutar e vencer e vamos ter um futuro incrível", acrescentou.

Em seu depoimento, Comey disse que Trump lhe pediu lealdade e solicitou que deixasse de lado uma investigação sobre seu então assessor de Segurança Nacional, Michael Flynn. Ele também acusou o governo de mentir e difamar tanto a ele quanto ao FBI na tentativa de justificar as ações do presidente.

A Casa Branca condenou duramente esta acusação.

"Posso afirmar com segurança que o presidente não é mentiroso e francamente me sinto insultada pelo questionamento", disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

Trump também reagiu com veemência.

"Eles vão mentir, vão obstruir, espalharão seu ódio e seu preconceito, não vamos recuar em fazer o que é certo", disse o presidente.

As pessoas "vão ter a mudança na qual votaram e que tão generosamente merecem", acrescentou.

AFP

 AFP