Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker

(afp_tickers)

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, criticou os poucos eurodeputados presentes a um debate na Eurocâmara, nesta terça-feira (4), chamando-os várias vezes de "ridículos".

"Saúdo aqueles que se incomodaram de vir até aqui, mas o fato de que apenas cerca de 30 deputados [de 751] assistam a esse debate mostra claramente que o Parlamento não é sério, e queria dizer isso hoje", declarou Juncker, acrescentando que "o Parlamento Europeu é ridículo, muito ridículo".

O chefe do Executivo comunitário deu essas declarações pela manhã durante um debate sobre a recém-encerrada presidência maltesa da União Europeia (UE), na presença de seu primeiro-ministro Joseph Muscat.

A Eurocâmara "também deve respeitar as presidências dos países menores" da UE, ressaltou Juncker, referindo-se a Malta, o menor país do bloco.

"Se o senhor Muscat fosse a senhora [Angela] Merkel, a ausência de eurodeputados seria dificilmente imaginável", apontou, em alusão à chanceler alemã.

Juncker deu a entender que "nunca mais" assistirá a "uma reunião desse tipo".

As críticas do presidente do Executivo comunitário geraram reações, como a de seu colega da Eurocâmara, Antonio Tajani.

"Não cabe à Comissão controlar o Parlamento", e sim o contrário, rebateu.

"Vocês são ridículos! Queria prestar uma homenagem à Presidência maltesa...", reiterou Juncker, antes de o presidente da Eurocâmara lhe pedir para "usar uma linguagem diferente".

"Não somos ridículos, eu lhe peço, por favor", disse Tajani.

AFP