Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais catalães autônomos, conhecidos como Mosso d'Esquadra, detém um suspeito em Ripoll, Espanha

(afp_tickers)

A aprazível cidade rural de Ripoll, no norte da região espanhola da Catalunha, vive consternada desde que três jovens originários de lá se tornaram suspeitos dos atentados de Barcelona e Cambrils.

"Tê-los como vizinhos a vida toda e acabarem fazendo isso...". Maria, uma garçonete que, como a maioria dos entrevistados, não quis dar seu sobrenome, ainda estava espantada.

As prisões deram origem a momentos de tensão, com insultos, ameaças e empurrões de alguns ripoleses a quem até pouco consideravam vizinhos corretos e discretos.

As varandas dos cafés da Plaza Grande ficaram cheios para assistir ao espetáculo da invasão de policiais mascarados.

O garçom de um deles garantiu à AFP que tinha servido uma cerveja aos três suspeitos, que ainda não tinham sido presos, em diversas ocasiões, a última vez há dois dias.

"Eles vinham tomar cerveja em outro bar na praça em que eu trabalhei. Há dois dias vieram, dois deles e uma criança, e tomaram uma Heineken, um café com leite e o menino, um suco", explicou. Como quase todos os entrevistados, disse que eram clientes com comportamento normal.

"Bom, claro que surpreende", explicou um cliente de outro café, Albert Batlle, à AFP. "Você costuma ver essas coisas na televisão, ocorrendo em outros países, e sempre acredita que vai acontecer só com os outros. E isso não te afeta, então. Não é o mesmo quando isso acontece em Barcelona, e é o trabalho das pessoas Ripoll".

Batlle acredita que é o momento de os governos da Catalunha e da Espanha colaborarem e "deixarem de besteira", em uma alusão ao debate sobre a independência da região.

- Radicalização -

Outro ripolês que participou da conversa e não quis dar seu nome acredita que os jovens envolvidos se radicalizaram recentemente, pois estavam mais antissociais e mais religiosos.

Na cidade, há uma mesquita, aberta em 2008 entre queixas de muitos vizinhos, e também um monastério do século IX, que é um dos templos mais conhecidos de arte românica catalã.

Ripoll pertence à província de Gerona e tem 10.000 habitantes. Ainda que no inverno atraia muitos turistas de Barcelona, que querem ficar perto das pistas de esqui dos Pirineus, no verão a cidade se torna deserta, silenciosa.

É uma cidade pequena o bastante para que todo mundo já tenha se visto alguma vez e grande o bastante para que não se conheçam bem.

A documentação da van usada para atropelar os pedestres em Las Ramblas levou a polícia a Driss Oukabir, um dos irmãos supostamente envolvido no crime, que foi preso na própria quinta-feira.

"Era educado", lembrou uma senhora que era sua vizinha.

O paradeiro do irmão mais novo de Driss, Moussa, ainda era desconhecido nesta sexta-feira.

O segundo detido de Ripoll era um amigo de Driss, e o terceiro e último é o proprietário de um locutório, de quem só se conhece o nome, Salah.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP