Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(27 jun) Socorrista participa de uma operação de busca por sobreviventes no oeste de Mossul

(afp_tickers)

Em Mossul, os socorristas tentam resgatar as famílias sepultadas sob os escombros da sangrenta batalha entre o Exército iraquiano e os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), uma corrida contra o tempo entre bombas e franco-atiradores.

Em frente à retroescavadeira que remove a montanha de escombros em meio a uma nuvem de poeira, Abdel Rahman Mohamed e seu irmão Amar fumam um cigarro atrás do outro, sob um sol escaldante e a 50ºC, e uma tristeza profunda.

Debaixo dos destroços estariam os corpos de seu irmão Ahmed e sua família, desaparecidos quando fugiam dos combates no bairro de Al-Zanjili, na zona oeste da cidade.

Depois de eliminar os últimos atiradores de elite do EI emboscados no cruzamento de Al-Bursa, os militares autorizaram as equipes de resgate, na terça-feira (27), a entrar no bairro e buscar entre os escombros. Após três semanas, parece impossível encontrar sobreviventes.

"Há 20 dias estão soterrados, uma família inteira. É uma tragédia", lamenta Amar.

Abdel Rahman se agarra à ideia de que seu irmã e sua família deixaram a casa antes do bombardeio.

- 'Mossul, o pior'

Em 6 de junho, o Exército iraquiano avançava em Al-Zanjili, enquanto vários civis se trancavam em casa, por ordem do EI.

Ao final, exaustos e famintos, alguns aproveitaram a oportunidade para fugir. Entre eles Ahmed, o irmão de Abdel Rahman e de Amar, sua esposa e seis filhos.

Nessa hora, a família viu os combatentes do EI chegarem na direção oposta e "se escondeu com outros 30 civis no porão de uma casa vizinha", conta Abdel Rahman.

O grupo sofria de sede. Um homem se ofereceu para buscar água. Essa foi sua "sorte": do lado de fora, a bala de um franco-atirador atingiu sua bochecha e, ferido, não pôde voltar para o esconderijo.

Minutos depois, a casa foi atingida por um bombardeio aéreo atribuído à coalizão internacional liderada por Washington, que apoia as tropas terrestres iraquianas.

"Talvez eles tenham errado a casa, ou a bombardearam porque havia franco-atiradores do EI no telhado", sugere Abdel Rahman.

O sobrevivente ferido avisou os dois irmãos, que notificaram a Defesa Civil, unidade do Ministério do Interior que socorre os sobreviventes e recolhe os mortos reclamados por seus familiares para um enterro com dignidade.

"Temos trabalhado em Fallujah, Ramadi (duas cidades ao oeste de Bagdá), mas Mossul é a pior", lamenta o comandante Saad Nawzad Rachid.

Às vezes, seus homens chegam a tempo de salvar vidas. Mas, quase sempre, é tarde demais.

"Nunca vimos tanta destruição, tantas crianças e mulheres atingidas, e tudo por causa dos cães do EI", afirma.

- Bonecas coloridas

O equilíbrio é instável sobre os entulhos. Depois de mais de uma hora de trabalho, objetos aparecem no fundo do buraco, a uma profundidade de vários metros. Duas bonecas coloridas, de cabelo loiro, surgem.

Na beira do buraco, os rostos se contraem. De repente, um socorrista grita: "Stoooop!".

Abdel Rahman e Amar se aproximam, febris. Nenhum ser humano à vista. Um pouco mais alto, porém, brilha uma ogiva: um foguete que não explodiu, ameaçando cair.

A escavadeira não irá mais longe. Especialmente porque o Exército acaba de descobrir dois carros-bomba nas proximidades, um deles a menos de 50 metros.

"É muito perigoso cavar nessas circunstâncias. Primeiro vamos deixar o Exército proceder à desminagem" decreta o comandante Rachid. Ou seja, dois dias a mais.

Amar e Abdel Rahman sentem o golpe. Ninguém viu seu irmão e sua família nas zonas libertadas nas proximidades.

Mas o segundo não perde a esperança.

"Talvez tenham fugido para a Cidade Antiga", diz ele, mostrando a fumaça preta que surge no horizonte na parte histórica da cidade, onde o Exército persegue os combatentes do EI, cercados e espalhados entre milhares de civis encurralados entre o fogo cruzado.

AFP