Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Parentes e amigos das vítimas Ana Cristina da Conceição, de 42 anos, e de sua mãe, Marlene Maria da Conceição, de 76 anos, mortas na sexta-feira em tiroteio na Mangueira, durante funeral no cemitério do Catumbi, em 3 de julho de 2017

(afp_tickers)

"Por que fizeram isso?", questiona com a voz embargada a jovem Larissa ao dar o último adeus nesta segunda-feira no cemitério do Catumbi, à sua mãe e à sua avó, vítimas de 'balas perdidas' na favela da Mangueira, no Rio de Janeiro.

A menina, com o rosto coberto por uma jaqueta, não se aproxima dos caixões, abertos durante o velório.

As vidas de Marlene Maria da Conceição, de 76 anos, e de Ana Cristina da Conceição, de 42, foram interrompidas na última sexta-feira durante uma operação policial contra traficantes.

Aproximadamente 200 pessoas participaram da cerimônia, carregando rosas nas mãos.

"Nem no pior pesadelo poderia esperar uma coisas dessas", diz Samuel Oliveira, um dos filhos de Ana Cristina, de 24 anos, enquanto seu irmão Renan Souza, seis anos mais velho, tenta consolá-lo.

"Mesmo se não conhecesse alguém da família estaria aqui porque pertenço à comunidade. No meu modo de ver, na nossa comunidade, todo mundo pertence à mesma família", afirma Renan.

Amigos e parentes se despediam das duas mulheres com um beijo na testa, enquanto muitos cantavam músicas religiosas, entre lágrimas.

"Não adianta reagir à violência com violência. Não adianta queimar ônibus", afirma Jupira, pastora da igreja evangélica frequentada por Ana Paula.

- A paz, um 'privilégio' -

Poucas horas depois da morte das duas mulheres, um grupo de manifestantes incendiou um ônibus para expressar sua indignação.

Um vídeo filmado por um morador e compartilhado nas redes sociais e na televisão mostra um grupo de vizinhos carregando os corpos envoltos em lençóis brancos cheios de sangue, sob o olhar impassível de policiais.

"Isso acontece em todas as comunidades, matam mais inocente do que bandido", denuncia Samuel Oliveira.

As autoridades informaram que estão investigando a origem dos disparos.

"Queremos paz, queremos ter os mesmos privilégios que as pessoas que estão do lado de fora. Sentimos essa perda e que essas coisas vão continuar acontecendo", reivindica Eliane Felix, vestida com uma camiseta verde-amarela com a frase "Jesus transforma".

Na última sexta-feira, a violência cotidiana subiu vários graus na escala de horror, depois que uma bala perdida perfurou o ventre de Claudinéia dos Santos Melo, que estava grávida de nove meses, em Duque de Caxias.

Os médicos fizeram uma rápida cesariana e salvaram o bebê, ferido no tórax e que ficou paraplégico. Claudinéia sobreviveu, mas ainda não sabe o que aconteceu com seu bebê, que recebeu o nome de Arthur.

De acordo com a polícia, as primeiras investigações indicam que o disparo partiu da arma de um traficante.

Indignados pela onda de violência, centenas de moradores de comunidades protestaram neste domingo na praia de Copacabana para pedir "paz".

"Nas favelas os projetos sociais não existem e ações policiais estão se agravando", denunciou Delcimar da Costa, presidente da Federação Municipal de Associações de Moradores de Favelas do Rio.

AFP