Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Abdullah recebe uma chuva de pétalas de rosas, antes de discursar em Cabul

(afp_tickers)

O candidato à presidência do Afeganistão Abdullah Abdullah proclamou-se vencedor da eleição e rejeitou os resultados provisórios, que apontam uma vantagem importante do rival Ashraf Ghani, em mais uma fase da crise política, que provoca temores de conflitos étnicos.

O secretário de Estado americano, John Kerry, advertiu nesta terça-feira contra qualquer tentativa de tomar o poder ilegalmente no Afeganistão e ameaçou cortar a ajuda financeira e de segurança ao país.

A comissão eleitoral independente afegã anunciou na segunda-feira que o candidato Ashraf Ghani lidera a apuração, segundo os primeiros resultados do segundo turno celebrado em 14 de junho, com 56,4% dos votos, contra 43,5% para Abdullah.

Abdullah, que era favorito depois de vencer o primeiro turno com 12 pontos de vantagem sobre Ghani, rejeitou os resultados e alegou fraudes a favor do adversário.

"Sem nenhuma dúvida, somos os vencedores das eleições", disse Abdullah a milhares de simpatizantes em Cabul.

Abdullah se afastou do segundo turno da eleição presidencial de 2009, ao denunciar fraudes a favor do atual presidente, Hamid Karzai. Mas desta vez ele não parece disposto a ceder a vitória ao rival.

"Queremos que o Afeganistão tenha dignidade e unidad nacionale. Não queremos uma guerra civil", afirmou Karzai, ao tentar tranquilizar a comunidade internacional.

O governo dos Estados Unidos, principal respaldo financeiro do fundo de apoio militar do Afeganistão desde 2001, reagiu imediatamente.

"Qualquer ação com o objetivo de tomar o poder por meios ilegais custaria ao Afetganistão o apoio financeiro e de segurança dos Estados Unidos e da comunidade internacional", declarou Kerry.

o chefe da diplomacia americana também pediu calma a todos os dirigentes afegãos para preservar os avanços da última década.

Abdullah não fez nenhuma menção ao tema nesta terça-feira e afirmou que havia conversado tanto com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, como com John Kerry, que informou sobre uma viagem a Cabul na sexta-feira.

O presidente da comissão eleitoral advertiu que os dados anunciados não são definitivos e que não determinam o vencedor da eleição. O organismo ainda precisa examinar as queixas.

Após o anúncio, a equipe de Abdullah afirmou que a situação era um "golpe de Estado" contra o povo, estimulado pelo organismo electoral.

Os partidários de Abdullah, reunidos nesta terça-feira em um local que recebe a Loya Jirga (assembleia tradicional afegã), acusam o presidente Hamid Karzai de ter manipulado as eleições a favor de Ashraf Ghani.

No último dia 22, a equipe de campanha de Abdullah revelou provas da suposta fraude eleitoral.

A equipe divulgou gravações de áudio que colocava o chefe de secretariado da Comissão Eleitoral, Zia ul-Haq Amarjail, no centro da polêmica eleitoral, ao acusá-lo de ter cometido irregularidades ao transportar as cédulas de voto não utilizadas no segundo turno da eleição de sábado passado.

No entanto, a equipe de campanha se negou a revelar a origem dessas gravações, cuja autenticidade é difícil de verificar de fonte independente.

Estas eleições são muito importantes, depois de mais de 12 anos de presidência de Hamid Karzai, que dirigiu o país desde a queda dos talibãs, em 2001. Soma-se o fato de as tropas da Otan planejarem deixar o Afeganistão até o fim do ano.

Este contexto preocupa a comunidade internacional, principalmente devido ao aumento de tensão entre os partidários dos dois adversários.

AFP