Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(7 jun) Veículo incendiado em frente ao Tribunal Superior de Justiça, em Caracas

(afp_tickers)

A alta corte venezuelana amanheceu fechada, com seus acessos bloqueados por militares nesta sexta-feira, o que impediu os cidadãos de formalizarem seu apoio ao recurso apresentado pela procuradora-geral, Luisa Ortega, contra a Assembleia Constituinte promovida pelo presidente Nicolás Maduro.

Caminhões anti-distúrbios impediam os acessos ao Tribunal Superior de Justiça (TSJ), no centro de Caracas, onde um grupo de ex-procuradores, ex-juízes, representantes de partidos opositores e outros políticos pretendiam aderir à ação legal apresentada na quinta-feira pela procuradora chavista contrária à Constituinte de Maduro.

"Chegamos e simplesmente nos disseram 'não há trabalho'. Na segunda-feira voltaremos", disse à AFP a deputada opositora Delsa Solórzano, do partido Um Novo Tempo, que se somará ao recurso de Ortega.

Solórzano denunciou que "coletivos" - como a oposição chama os grupos armados próximos ao governo - atingiram a sua equipe quando saía. "Se não há trabalho, não podemos assinar, mas tampouco podem tomar uma decisão", advertiu.

"A ditadura tem medo do povo que se mobiliza se opondo à Constituinte", expressou o deputado opositor Tomás Guanipa.

Vários partidos da coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD) assinarão o recurso da procuradora chavista que considera a Constituinte - que será eleita em 30 de julho - violenta ao "progresso" dos direitos humanos, da democracia e do direito ao voto.

"Temos que aderir em massa ao recurso", pediu o parlamentar opositor Henry Ramos Allup.

A Plataforma em Defesa da Constituição - integrada por chavistas que não apoiam Maduro - também planeja apoiar o recurso colocado pela procuradora Ortega.

"Pretendem realizar uma Assembleia Nacional Constituinte espúria e sem nenhum apoio popular", assinala uma carta desta plataforma, assinada, entre outros, pelos ex-ministros Héctor Navarro e Ana Elisa Osorio, e pelo major-general da reserva Clíver Alcalá.

A procuradora, a oposição e o chavismo dissidente rechaçam o projeto da Constituinte porque não contempla um plebiscito para que os venezuelanos decidam se desejam ou não reformar a Constituição.

Nesta sexta-feira, Guanipa entrou com um processo na Procuradoria contra Maduro, os juízes da Sala Constitucional do TSJ e quatro dirigentes do poder eleitoral por "conspirar para mudar a Constituição" ao não submeter a proposta da Constituinte ao povo, como ocorreu com a que foi promovida pelo ex-presidente Hugo Chávez em 1999.

Os opositores também criticam o método de escolha dos legisladores, que asseguram que beneficiará o governo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP