Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Juiz Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, em Brasília, no dia 31 de março de 2016

(afp_tickers)

O juiz Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, morreu nesta quinta-feira na queda de um avião em Parati, no estado do Rio de Janeiro, informou sua família.

"Estimados amigos, acabamos de receber a confirmação de que papai faleceu. Obrigado a todos pela força" - escreveu Francisco Prehn Zavascki em seu perfil, pouco tempo depois do STF confirmar que o nome do ministro, de 68 anos, figurava na lista de passageiros.

A Marinha do Brasil confirmou a queda do avião, um King Air C90, que havia partido do aeroporto do Campo de Marte, em São Paulo, às 13H00 local.

O avião caiu no mar próximo à ilha Rasa, por volta das 13H30, quando chovia na região.

Já estão confirmadas as mortes de três pessoas no acidente: o ministro do Supremo, o empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, 69 anos, proprietário da rede de hotéis Emiliano, e o piloto Osmar Rodrigues, 56.

De acordo com a FAB, havia cinco pessoas no aparelho e ninguém sobreviveu.

Moradores da região que chegaram ao local logo após o acidente revelaram que uma mulher pediu socorro batendo em uma das janelas do avião, mas não foi possível socorrê-la a tempo.

Imagens do local da queda mostravam partes da fuselagem do aparelho fora d'água.

A Força Aérea Brasileira (FAB) revelou que uma equipe do Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos foi enviada a Paraty para investigar o acidente.

Relator da Lava-Jato no STF, Zavascki se encontrava na fase de homologação das delações de 77 ex-executivos da construtora Odebrecht, envolvidos no maior escândalo de corrupção da história do Brasil.

Era esperado que o ministro suspendesse o sigilo dos cerca de 900 depoimentos ligados à Lava-Jato assim que homologasse as delações, possivelmente após o recesso do Judiciário, no início de fevereiro.

O presidente Michel Temer decretou três dias de luto: "Uma homenagem modesta a quem tanto serviu à classe jurídica, aos tribunais e ao povo brasileiro".

O juiz Sérgio Moro, encarregado da Operação Lava Jato, se disse "perplexo" e chamou Teori Zavascki de "herói brasileiro".

A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, declarou que "a consternação tomou conta do Supremo Tribunal Federal com a notícia da morte de um dos mais brilhantes juízes que ajudaram a construir a história".

"O ministro Teori Zavaski representa um dos pontos altos na história da nossa Justiça. O seu trabalho permanecerá para sempre, e a sua presença e o seu exemplo ficarão como um rumo do qual não nos desviaremos, cientes de que as pessoas morrem, suas obras e seus exemplos, não...".

Ainda não está claro quem herdará a relatoria da Lava Jato, mas a assessoria de comunicação do STF disse à AFP que "será uma decisão jurídica" que determinará se haverá distribuição entre os demais juízes do tribunal ou será assumido por quem o substituir.

Os juízes do STF são designados pelo presidente da República com o aval do Senado.

O delegado da Polícia Federal Marcio Anselmo, um dos investigadores do "Petrolão", pediu que se investigue a morte de Zavascki, destacando que ocorreu "nas vésperas da homologação da delação premiada da Odebrecht". "Este 'acidente' deve ser investigado a fundo".

AFP