Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Adolescentes acessam a internet pelo celular, em Washington, DC, no dia 8 de abril de 2015

(afp_tickers)

Um em cada três adolescentes americanos mudaram de comportamento após procurar informações relacionadas à saúde na Internet - é o que mostra um estudo sobre adolescentes e tecnologia divulgado nesta terça-feira.

Dos 1.156 adolescentes de 13 a 18 anos entrevistados, 84% disseram ter usado a Internet para encontrar informações sobre saúde.

Quando perguntados sobre onde obtinham "a maior parte" das informações de saúde que usaram, a principal fonte apontada foram os próprios pais, seguidos das aulas na escola e médicos ou enfermeiros, segundo relatório publicado por pesquisadores da Universidade Northwestern.

A Internet ficou em quarto lugar como fonte de informação, mas foi o principal meio de comunicação citado como referência, superando em popularidade livros, rádios, jornais e revistas.

Cerca de 25% dos adolescentes disseram que a internet era sua principal fonte de informação sanitária, apenas abaixo dos 29% que disseram que a obtêm de médicos e enfermeiros.

Ao contrário dos adultos, que tendem a procurar diagnósticos online sobre todas as questões de saúde, os adolescentes buscam informações sobre medidas preventivas e comportamentos saudáveis​, apontou o estudo.

Ferramentas digitais como aplicativos, acessórios eletrônicos "usáveis" ou sites da internet, influenciaram nas mudanças de comportamento dos adolescentes, acrescentou.

"Quase um em cada três adolescentes (32%) dizem ter mudado de comportamento por causa de informações de saúde digitais ou ferramentas sobre saúde", informou.

O que querem estes adolescentes?

A maioria procurou informações sobre "fitness" ou exercícios (42%), seguido de dieta e alimentação (36%). Cerca de 19% procurou informações sobre stress e ansiedade, 18% sobre doenças sexualmente transmissíveis e puberdade, 16% estão interessados ​​em outros problemas mentais e também 16% pesquisaram sobre o sono.

AFP