Navigation

Agência Antidoping da China suspende controles a seis meses de Tóquio-2020

Visitante observa substâncias dopantes usadas para aumentar o rendimento dos atletas, durante exposição pelos 40 anos do início das medidas antidoping nos Jogos Olímpicos, em 17 de janeiro de 2007. em Pequim afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. fevereiro 2020 - 12:12
(AFP)

A Agência Antidoping da China (Chinada) decidiu suspender "temporariamente" seus controles "com o objetivo de proteger a saúde", devido à epidemia de coronavírus, a menos de seis meses dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 - informou a Agência de Controle Internacional (ITA), nesta segunda-feira (3).

A Chinada "retomará gradualmente suas atividades de controle tão logo a situação melhore", disse à AFP a ITA, com sede em Lausanne.

"Devido ao estado de emergência internacional decretado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a Chinada suspendeu temporariamente suas atividades de controle", informou a ITA.

Esta decisão chega a menos de seis meses dos Jogos de Tóquio, que serão disputados entre 24 de julho e 9 de agosto.

De acordo com o site da agência, a Chinada realiza cerca de 15.000 controles antidoping e análises por ano.

- Wada se dispõe a ajudar -

Grande potência esportiva, a China, terceira no quadro de medalhas dos Jogos do Rio-2016, dominado pelos Estados Unidos, tem grandes ambições para Tóquio-2020.

Questionada pela AFP, a Agência Mundial Antidoping (Wada) explicou que "acompanha de perto a situação" e que ajudará a Chinada no que for possível "para colocar em prática um plano que mantenha a integridade do programa antidoping na China".

O sistema antidoping "permite a flexibilidade e a cooperação entre as organizações antidoping, notavelmente as nacionais, as federações internacionais e as organizações de grandes eventos, para garantir que a integridade do programa seja mantido e que os atletas sigam sendo controlados da maneira correta, apesar da epidemia", completou a Wada, com sede em Montreal.

O programa antidoping anterior aos Jogos, de responsabilidade da ITA por meio do Comitê Olímpico Internacional (COI), dá uma importância especial à China, um país ambicioso e recorrentemente envolvido em casos de doping.

O nadador Sun Yang, estrela do país e tricampeão olímpico, suspenso por três meses em 2014 após dar positivo por uso de trimetazidina, corre o risco de receber uma punição de dois a oito anos longe das piscinas devido a um polêmico controle antidoping, no qual foi acusado de destruir uma amostra com um martelo. O veredito do Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), maior instância jurídica esportiva, será divulgado nos próximos meses.

A ITA explicou também que tem "outros parceiros na China e avalia se outros controles poderão ser feitos nos próximos dias ou semanas, com algum provedor privado".

"É preciso ter prudência e não colocar em perigo nem os atletas, nem os delegados que administram os controles. Reconhecendo a importância das atividades antidoping, a prioridade agora é a saúde pública de todos", completou a ITA, encarregada dos exames antidoping de numerosas federações e competições internacionais.

- Programa da ITA -

A epidemia na China, que teve como epicentro Wuhan -capital da província de Hubei- é responsável pela morte de mais de 360 pessoas, com outras 17.000 contaminadas, segundo o último relatório divulgado pelas autoridades.

Várias competições esportivas previstas para serem disputadas na China, como alguns torneios classificatórios para os Jogos Olímpicos, foram adiados ou realocados para outros países.

Entre essas competições, o Mundial de atletismo indoor, previsto para Nanquim entre 13 a 15 de março, foi adiado para 2021.

Uma etapa da Copa do Mundo de esqui alpino, prevista para 50 km ao norte de Pequim, sede dos Jogos de Inverno-2022, foi realocada para a Áustria.

No boxe, o torneio Pré-Olímpico asiático, programado inicialmente para Wuhan, foi levado para Amã, na Jordânia, no início de março.

"Continuaremos realizando o programa antidoping que preparamos, inclusive se as competições forem em outros lugares", explicou a ITA.

"Se a situação continuar desse jeito (suspensão dos controles da Chinada), haverá um impacto nos controles no país e teremos que encontrar soluções", completou.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.