Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente do Irã, Hasan Rohani, visita a sala de controle da usina nuclear de Bushehr

(afp_tickers)

O Irã está honrando seus compromissos no âmbito do acordo nuclear concluído em 2015 com as principais potências, de acordo com o relatório trimestral da AIEA divulgado nesta quinta-feira, em meio às tensões entre Teerã e Washington que ameaçam o pacto.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, dependente da ONU) reconhece que o Irã não enriqueceu urânio a níveis proibidos, nem constituiu estoque ilegal de urânio pouco enriquecido ou água pesada.

Este respeito aos compromissos, já esperado, permite o prosseguimento da implementação do acordo, que entrou em vigor em janeiro de 2016 e que possibilitou o levantamento parcial das sanções internacionais que afetam o país.

Mas acontece em um contexto de tensões crescentes entre os Estados Unidos e o Irã. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que deve "certificar" em outubro diante do Congresso o respeito do texto pelo Irã, afirmou no final de julho que ficaria "surpreso" que este fosse o caso.

O acordo entre o Irã e as grandes potências tem como objetivo garantir a natureza pacífica do programa nuclear iraniano.

Durante sua campanha eleitoral, Trump prometeu "rasgar" esse texto - considerado um dos principais êxitos de seu predecessor, Barack Obama - ao considerá-lo "horrível".

A tensão voltou a aumentar quando Washington impôs ao Irã uma série de novas sanções jurídicas e financeiras não relacionadas ao programa nuclear, provocando a ira de Teerã, que ameaçou abandonar o acordo.

Os Estados Unidos critica o Irã por seu apoio ao presidente sírio Bashar al-Assad e aos rebeldes no Iêmen, e por dar prosseguimento ao seu programa de mísseis balísticos.

A República Islâmica nega querer dotar-se de armas atômicas, apesar de reivindicar seu direito de explorar o setor nuclear, e assegura respeitar plenamente o acordo de Viena.

- 'Não há alternativa' -

O presidente iraniano, Hassan Rohani, recordou esta semana que Trump está isolado em sua vontade de questionar o acordo. Na terça-feira, o chefe de Estado francês Emmanuel Macron considerou que "não há alternativa" para o acordo.

Em troca do levantamento das sanções, Teerã aceitou reduzir suas capacidades nucleares, sob estreito controle da AIEA.

No relatório desta quinta-feira, a agência volta a constatar que a quantidade de urânio pouco enriquecido pelo Irã segue abaixo do máximo autorizado de 300 kg, e que a República Islâmica "não deu seguimento" à construção de seu reator de água pesada em Arak.

Segundo alguns meios de comunicação, Washington estaria desejando realizar uma inspeção nas bases militares iranianas.

"Nossas relações com a AIEA são definidas por normas e não pelos Estados Unidos", afirmou o presidente iraniano, depois que a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, se reuniu em Viena na semana passada com o diretor da agência, Yukiya Amano.

O Irã já advertiu que pode recomeçar sua produção de urânio enriquecido - etapa técnica que permite fabricar material para uso militar - se os Estados Unidos, que já enfrentam uma garve crise com a Coreia do Norte, denunciar o texto de Viena.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP