Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A partir de 2019, a Airbus irá instalar novas caixas-pretas na linha de aeronaves de longa distância A350

(afp_tickers)

A partir de 2019, a Airbus irá instalar novas caixas-pretas na linha de aeronaves de longa distância A350. Uma delas será "solta", para poder flutuar em casos de naufrágio, de acordo com um anúncio da empresa nesta quarta-feira.

O novo equipamento vai guardar a gravação de 25 horas de conversas na cabine da frente (atualmente, são só duas horas), além dos dados técnicos do voo, indicou a fabricante em uma entrevista coletiva no salão da aeronáutica de Bourget.

Até hoje, essas informações ficavam armazenadas em dois gravadores diferentes.

Cada avião será equipado com duas caixas-pretas com os mesmos dados. Uma delas fica fixa na parte da frente da aeronave, a outra, "solta", fica instalada na parte traseira.

As caixas-pretas incluirão um transmissor que emite sinais para facilitar a localização de destroços do avião ao longo de 90 dias, em comparação com 30 dias dos equipamentos atuais, graças a uma pilha mais potente.

No caso de acidentes no mar, o sinal será mais facilmente detectável "pois uma das caixas vai estar na superfície", explicou Charles Champion, chefe de engenharia da divisão comercial da Airbus.

A caixa-preta instalada na parte traseira da aeronave se solta automaticamente caso haja alguma falha importante na estrutura do avião ou com pressão, se estiver submersa.

O A350 será o primeiro da linha de grandes aeronaves da Airbus a ser equipado com as novas caixas, no fim de 2019. Em seguida, os aviões A330, A321 LR e o A380, de acordo com o constructor.

As caixas-pretas são equipamentos fundamentais para explicar cerca de 90% dos acidentes aéreos.

AFP