Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O furacão devastou Dominica com ventos de até 257km/h

(afp_tickers)

A ajuda começava a chegar na noite desta quinta-feira à pequena ilha caribenha de Dominica, onde o furacão Maria deixou 15 mortos e cerca de 20 desaparecidos, constatou a AFP.

Segundo o primeiro-ministro de Dominica, Roosevelt Skerrit, todas as localidades da ilha sofreram impacto.

"A maior urgência é a entrega de alimentos para as vítimas e os helicópteros para distribuí-los", disse à imprensa.

Um destacamento de 68 bombeiros franceses, originários de Martinica e Guiana, chegou à ilha, informou o secretário geral da prefeitura de Martinica, Patrick Amoussou-Adéblé.

"Fizemos reconhecimentos em helicóptero para avaliar a situação. Temos um navio de guerra da Marinha Nacional que está aqui" com a possibilidade de descarregar material e 40 toneladas de água para os afetados", explicou.

A ilha de 72.000 habitantes foi atingida pelo furacão em 18 de setembro, quando Maria estava em sua potência máxima.

Desde então, a ilha, que fica perto dos departamentos franceses de ultramar Martinica e Guadalupe, está praticamente isolada do mundo e várias cidades são acessíveis somente por mar ou helicóptero.

Até agora, a passagem do furacão pelo Caribe deixou 21 mortos: dois em Guadalupe, 15 na Dominica, um em Porto Rico e três no Haiti.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP