Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O ministro do Interior alemão, Thomas de Maiziere

(afp_tickers)

O ministro do Interior da Alemanha anunciou nesta sexta-feira a proibição da principal plataforma na internet da esquerda radical no país, e anunciou a apreensão de armas durante uma operação, duas medidas derivadas de confrontos registrados paralelamente à última reunião de cúpula do G20.

Durante a operação na sede do linksunten.indymedia.org em Freiburg, a polícia encontrou facas, tubos e estilingues, indicou o ministro do Interior, Thomas Maizière, político ligado a chanceler conservadora Angela Merkel, que no fim de setembro tentará obter um quarto mandato.

"A partir de agora, o uso da página será uma infração penal", declarou o ministro, que pretende "puinir com força os extremistas de esquerda que podem ser violentos na Alemanha".

Para ele, a Indymedia é cenário "quase diário" de comentários de ódio, de propaganda ou inclusive "de assistência concreta" para cometer infrações, por exemplo, com debates sobre a fabricação de um coquetel molotov ou elogios ao incêndio do carro de um policial diante de sua casa.

O fórum foi particularmente ativo durante a reunião de cúpula do G20 no início de julho em Hamburgo. Manifestações, barricadas e distúrbios contra o evento foram organizados a partir do site.

Criada em 2009, a Indymedia se tornou a plataforma de internet mais visitada pela extrema-esquerda e permite a seus usuários publicar conteúdo de forma anônima.

Um colaborador divulgou em maio de 2016 os dados pessoais - incluindo endereço e número de telefone - de mais de 2.000 participantes do congresso do partido de direita nacionalista Alternativa para Alemanha (AfD).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP