Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fachada do hospital de Ostercappeln, Alemanha, onde morreu a primeira vítima alemã, um homem de 65 anos, pela contaminação do coronavírus Mers, no dia 16 de junho de 2015

(afp_tickers)

As autoridades sanitárias da Alemanha anunciaram nesta terça-feira a morte de um homem de 65 anos em decorrência de uma contaminação pelo coronavírus Mers, primeiro caso mortal do ano ligado à doença na Europa, onde o risco permanece baixo.

O paciente alemão morreu no último 6 de junho em um hospital de Ostercappeln (oeste) de uma doença dos pulmões provocada pelo vírus Mers, afirmou o ministério regional da Saúde da Baixa Saxônia em comunicado.

O sexagenário retornou em fevereiro de uma estadia nos Emirados Árabes Unidos. Foi lá que ele "provavelmente" contraiu o vírus, enquanto visitava um mercado de animais onde supostamente teve contato com camelos, sabidamente portadores do Mers, disse o ministério.

A Península Arábica é o principal foco da doença, com mais de 950 pessoas infectadas e 412 mortes desde 2012 na Arábia Saudita. Mas a epidemia também já matou 19 pessoas na Coreia do Sul, desde que um primeiro paciente foi diagnosticado com o vírus no país em 20 de maio quando voltava de uma viagem à Arábia Saudita.

As autoridades de Seul pediram ao público para não cederem ao medo, com destaque para uma diminuição do número de novas infecções.

- Risco é "baixo" -

A morte deste alemão é a primeira ligada ao Mers na Europa em 2015, mas "não muda nossa avaliação de riscos para a Europa", disse à AFP Romit Jain, porta-voz do Centro Europeu de Prevenção e controle de doenças, agência da UE com sede em Estocolmo. Ele disse que o risco para a Europa pelo vírus "é baixo".

Embora os casos importados de Mers sejam possíveis, "o risco de transmissão entre os seres humanos é muito baixo", declarou.

A mesma história em Bruxelas. "A Comissão Europeia continua vigilante, mas nada justifica ações de emergência no futuro imediato, já que a morte na Alemanha é decorrente de uma contaminação antiga", respondeu uma fonte da Comissão.

O paciente alemão foi hospitalizado em Osnabrück (oeste), onde foi colocado em quarentena. Ele tinha saído do hospital em "meados de maio" depois de superar a infecção e acabou sendo transferido para Ostercappeln. Posteriormente, contraiu outra doença pulmonar e não resistiu, segundo o ministério regional da Saúde.

As cerca de 200 pessoas com as quais ele manteve contato foram submetidas a testes e nenhuma apresentou sinais de contaminação, também de acordo com o ministério, que descartou qualquer perigo de contaminação na Alemanha.

Trata-se da segunda morte ligada ao Mers no país, após a morte em março de 2013 em Munique (sul) de um homem de 73 anos oriundo dos Emirados Árabes Unidos. Um terceiro paciente, hospitalizado em Essen (oeste), sobreviveu.

Não existe vacina nem tratamento para este vírus que apareceu em 2012, e pertence à mesma família que do Sars.

O Mers provoca especialmente um sintoma de pneumonia aguda e está associada a uma taxa de mortalidade de cerca de 35%, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além da península Arábica, Coreia do Sul e Alemanha, casos de pessoas infectadas com pelo Mers foram registrados nos Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Holanda, Áustria e Turquia.

A OMS convocou nesta terça-feira seu comitê de emergência a fim de determinar se a doença "constitui uma urgência de saúde pública de nível internacional", segundo um porta-voz. Os resultados desta reunião devem ser divulgados nesta quarta.

AFP