A Alemanha reduziu novamente as previsões de crescimento para 2019, um sinal de alarme para o governo de Angela Merkel.

O governo aposta agora em um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,5% este ano, contra a previsão de 1,0% divulgada em janeiro.

Mas o PIB alemão deve avançar 1,5% em 2020, quando a fase de desaceleração estiver "superada", afirmou o ministro da Economia, Peter Altmaier.

Assim como os vizinhos europeus, a Alemanha sofre com a "desaceleração mundial provocada pelos conflitos comerciais e o impacto negativo do processo do Brexit", disse o ministro.

Apesar da sólida demanda interna, o crescimento do país foi afetado por uma seca em 2018 e pelas novas normas europeias contra a poluição, que afetam respectivamente os setores importantes da química e dos automóveis.

O país também é afetado por fatores a longo prazo, como o envelhecimento da mão de obra e a falta crônica de investimentos em infraestruturas e inovação, que freiam o desenvolvimento tecnológico e ameaçam a atratividade da economia alemã.

A maior economia europeia escapou por pouco da recessão técnica, mas o estímulo após a crise já passou, com um PIB que passou de 2,2% em 2017 para 1,4% em 2018.

"A fase de enfraquecimento que atravessa atualmente a economia alemã tem que servir de sinal de alerta", disse o ministro da Economia.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.