Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um papagaio é visto em Bangcoc, no dia 3 de abril de 2016

(afp_tickers)

Apesar de terem cérebros pequenos, certos pássaros contam com um grande número de neurônios e, consequentemente, possuem uma capacidade cognitiva espantosa, de acordo com um estudo publicado esta segunda-feira na revista científica americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Os cientistas ficaram surpresos com os resultados do estudo, que demonstrou que muitos pássaros tinham mais neurônios que os mamíferos, incluindo os primatas.

Os papagaios e os corvos, por exemplo, mostraram ter capacidades cognitivas comparáveis às dos primatas. Assim, podem fabricar utensílios e usá-los para obter comida ou para resolver outros problemas.

Esses pássaros também são capazes de se reconhecerem no espelho e de anteciparem suas futuras necessidades - capacidades cognitivas que até agora se acreditava que eram exclusivas dos primatas.

"Descobrimos que os pássaros, particularmente os que cantam e os papagaios, têm um número surpreendentemente grande de neurônios no pálio, a parte do cérebro que correspondente ao córtex cerebral, que é importante para as funções cognitivas superiores, como se planejar para o futuro ou reconhecer padrões", disse Suzana Herculano-Houzel, professora de neurociência da universidade americana de Vanderbilt e autora principal do estudo.

"Isso explica porque eles exibem níveis de cognição no mínimo tão complexos quanto os primatas", acrescentou a cientista.

A pesquisa revelou que os neurônios no cérebro dos pássaros são muito menores e estão mais concentrados que no dos mamíferos. O cérebro dos Passeri e dos papagaios, por exemplo, contém duas vezes mais neurônios que o cérebro dos primatas, apesar de terem o mesmo tamanho, e de duas a quatro vezes mais que o dos ratos.

AFP