Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Localidade no leste da província de Deir Ezzor

(afp_tickers)

A aliança antiextremista apoiada por Washington na Síria anunciou neste sábado (23) ter expulsado o grupo Estado Islâmico (EI) de uma importante usina de processamento de gás na província de Deir Ezzor, no leste do país.

Antes da guerra, a usina de Conoco era a maior responsável pela produção de gás na Síria, com uma capacidade de 13 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia, segundo a Syria Report, uma revista econômica online.

Essas instalações acabaram nas mãos dos rebeldes sírios em 2012, e no poder do EI em 2014.

"As Forças Democráticas Sírias (FDS) conseguiram retomar o controle da usina de gás de Conoco ao norte da província de Deir Ezzor após dois dias de combate contra o EI", indicou a aliança árabe-curda em comunicado publicado.

A ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) confirmou a retomada da usina e ressaltou que o campo adjacente também foi reconquistado. As FDS não confirmaram essa última informação.

Deir Ezzor possui as maiores reservas petrolíferas do país. última província controlada pelo EI na Síria, é atualmente cenário de fortes ofensivas contra os extremistas.

Umas delas lançada pelo exército sírio, ajudada pela força aérea russa, e a outra pelas FDS, auxiliada pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

Construída em 2001, a usina de Conoco era propriedade conjunta da companhia americana ConocoPhillips e da francesa Total, antes da empresa americana se retirar em 2005 e ceder a fábrica à companhia estatal síria.

O EI se enriqueceu com os meios de produção de petróleo e gás no leste da Síria, parte que conquistou em 2014, antes de que esses locais se tornassem alvo de bombardeios da coalizão liderada por Washington.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP