AFP

Membros das FDS no vilarejo de Hazima, ao norte de Raqa

(afp_tickers)

As Forças Democráticas Sírias (FDS), aliança curdo-árabe apoiada pela coalizão liderada pelos Estados Unidos, entraram nesta terça-feira em Raqa, marcando o início do ataque final a este reduto do grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria.

No início da manhã, as FDS anunciaram a última etapa desta ofensiva lançada há sete meses que permitiu recuperar progressivamente vastas regiões ao redor da cidade e assim cercar os extremistas.

"Declaramos hoje o início da grande batalha para libertar Raqa, a capital do terrorismo", declarou o porta-voz das FDS, Talal Sello, a jornalistas no vilarejo de Hazima, ao norte de Raqa, nas mãos do EI desde 2014.

Logo depois, uma comandante das FDS, Rojda Felat, anunciou a entrada das tropas "no bairro de Meshleb, zona leste da cidade".

Ela também afirmou que combates violentos eram travados nos arredores da zona norte da cidade.

A ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) confirmou a entrada das FDS na região, onde assumiram o controle de vários edifícios.

"Tomaram o posto de controle em Meshleb e de vários prédios", disse o porta-voz do OSDH, Rami Abdel Rahman.

As FDS atacam Raqa pelo norte, oeste e leste, segundo Sello. "Com os aviões da coalizão internacional e as armas que nos forneceram vamos retomar Raqa", garantiu.

- 'Longa e difícil' -

Mas o general americano Steve Townsend, comandante das forças da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, advertiu em um comunicado que a batalha será "longa e difícil".

No entanto, "será um golpe decisivo" para o "califado do EI", afirmou, em referência ao "califado" autoproclamado pelo EI em 2014 nos territórios conquistados na Síria e no vizinho Iraque.

O general Townsend acrescentou que a ofensiva em Raqa se inscreve numa batalha mais ampla contra o EI, que reivindicou uma série de ataques na região e também na Europa.

"O EI ameaça todas as nações, não apenas o Iraque e a Síria", ressaltou.

No Iraque, os extremistas estão perto de perder Mossul, seu último grande reduto urbano no país.

Em preparação à ofensiva final em Raqa, "a coalizão realizou ataques aéreos durante a noite", de acordo com OSDH.

Sello pediu aos civis na cidade para se afastarem das posições do EI e das frentes de combate.

A coalizão liderada por Washington fornece à aliança árabe-curda apoio aéreo e ajuda em terra com assessores.

Enquanto Raqa é cercada em terra pelo norte, leste e oeste, os "aviões da coalizão atacam os jihadistas que tentam cruzar o rio" a partir do sul da cidade, indicou o OSDH.

Cerca de 300.000 pessoas vivem em Raqa, incluindo 80.000 deslocados internos que fugiram de outras partes da Síria desde o início da guerra.

As forças anti-extremistas acusam o EI de utilizar os civis como "escudos humanos" e de se esconder entre a população.

Os riscos também são grandes para os civis que tentam fugir.

- Riscos para os civis -

De acordo com o OSDH, um ataque aéreo da coalizão internacional deixou 21 mortos entre os civis que tentavam fugir nesta segunda-feira da cidade.

"Os civis embarcavam em pequenos barcos na margem norte do rio Eufrates para escapar dos subúrbios da zona sul de Raqa", explicou Rami Abdel Rahmane. Mulheres e crianças estão entre as vítimas.

Aviões russos também realizaram ataques contra comboios do EI que tentavam deixar Raqa.

Quase 200.000 pessoas deixaram a cidade, de acordo com um porta-voz da coalizão internacional.

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras também indicou que a fuga de civis sírios de Raqa estava em ritmo acelerado. Cerca de "800 pessoas chegam diariamente no campo" de deslocados de Ain Issa, trinta quilômetros ao norte de Raqa, e a situação é difícil devido à falta de meios humanitários.

Iniciada em março de 2011 pela repressão do regime às manifestações pacíficas pró-democracia, a guerra na Síria tornou-se mais complexa com a ascensão dos jihadistas e o envolvimento de atores regionais e internacionais.

O conflito já deixou mais de 320.000 mortos e obrigou mais da metade dos quase de 22 milhões de habitantes a deixar suas casas.

AFP

 AFP